Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4

Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4
Estamos atualizando nosso cadastro de políticos que possuem sua fichinha mais suja que pau de galinheiro. Também disponibilizaremos a lista de quem falta mais às sessões e comissões, uso de verbas indenizatórias, doações e patrimônio dos políticos. Aguardem.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

POR QUE AGORA?

Por CÉSAR BENJAMIN

Da Folha

DEIXO de lado os insultos e as versões fantasiosas sobre os “verdadeiros motivos” do meu artigo “Os Filhos do Brasil”. Creio, porém, que devo esclarecer uma indagação legítima: “por quê?”, ou, em forma um pouco expandida, “por que agora?”. A rigor, a resposta já está no artigo, mas de forma concisa. Eu a reitero: o motivo é o filme, o contexto que o cerca e o que ele sinaliza.

Há meses a Presidência da República acompanha e participa da produção desse filme, financiado por grandes empresas que mantêm contratos com o governo federal.

Antes de finalizado, ele foi analisado por especialistas em marketing, que propuseram ajustes para torná-lo mais emotivo.

O timing do lançamento foi calculado para que ele gire pelo Brasil durante o ano eleitoral. Recursos oriundos do imposto sindical -ou seja, recolhidos por imposição do Estado- estão sendo mobilizados para comprar e distribuir gratuitamente milhares de ingressos. Reativam-se salas pelo interior do país e fala-se na montagem de cines volantes para percorrerem localidades que não têm esses espaços. O objetivo é que o filme seja visto por cerca de 5 milhões de pessoas, principalmente pobres.

Como se fosse pouco, prepara-se uma minissérie com o mesmo título para ser exibida em 2010 pela nossa maior rede de televisão que, como as demais, também recebe publicidade oficial. Desconheço que uma operação desse tipo e dessa abrangência tenha sido feita em qualquer época, em qualquer país, por qualquer governante. Ela sinaliza um salto de qualidade em um perigoso processo em curso: a concentração pessoal do poder, a calculada construção do culto à personalidade e a degradação da política em mitologia e espetáculo. Em outros contextos históricos isso deu em fascismo.

O presidente Lula sabe o que faz. Mais de uma vez declarou como ficou impressionado com o belo “Cinema Paradiso”, de Giuseppe Tornatore, que narra o impacto dos primeiros filmes na mente de uma criança. “O Filho do Brasil” será a primeira -e talvez a única- oportunidade de milhões de pessoas irem a um cinema. Elas não esquecerão.

Em quase oito anos de governo, o loteamento de cargos enfraqueceu o Estado. A generalização do fisiologismo demoliu o Congresso Nacional. Não existem mais partidos. A política ficou diminuída, alienada dos grandes temas nacionais. Nesse ambiente, o presidente determinou sozinho a candidata que deverá sucedê-lo, escolhendo uma pessoa que, se eleita, será porque ele quis. Intervém na sucessão em cada Estado, indicando, abençoando e vetando. Tudo isso porque é popular. Precisa, agora, do filme.

Embalado pelas pré-estreias, anunciou que “não há mais formadores de opinião no Brasil”. Compreendi que, doravante, ele reserva para si, com exclusividade, esse papel. Os generais não ambicionaram tanto poder. A acusação mais branda que tenho recebido é a de que mudei de lado. Porém os que me acusam estão preparando uma campanha milionária para o ano que vem, baseada em cabos eleitorais remunerados e financiada por grandes grupos econômicos. Em quase todos os Estados, estarão juntos com os esquemas mais retrógrados da política brasileira. E o conteúdo de sua pregação, como o filme mostra, estará centrado no endeusamento de um líder.

Não há nada de emancipatório nisso. Perpetuar-se no poder tornou-se mais importante do que construir uma nação. Quem, afinal, mudou de lado? Aos que viram no texto uma agressão, peço desculpas. Nunca tive essa intenção. Meu artigo trata, antes de tudo, de relações humanas e é, antes de tudo, uma denúncia do círculo vicioso da extrema pobreza e da violência que oprime um sem-número de filhos do Brasil. Pois o Brasil não tem só um filho.

Reitero: o que escrevi está além da política. Recuso-me a pensar o nosso país enquadrado pela lógica da disputa eleitoral entre PT e PSDB. Mas, se quiserem privilegiar uma leitura política, que também é legítima, vejam o texto como um alerta contra a banalização do culto à personalidade com os instrumentos de poder da República. O imaginário nacional não pode ser sequestrado por ninguém, muito menos por um governante.

Alguns amigos disseram-me que, com o artigo, cometi um ato de imolação. Se isso for verdadeiro, terá sido por uma boa causa.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Lula, o filho do Brasil (Trailer Oficial)

Conhecemos um pouco da história de Lula antes e depois de eleito presidente do Brasil.
Veremos agora um pouco da história da vida real de Lula. Espero que seu passado seja um pouco mais verdadeiro que o seu presente, espero que o filme não seja um amontoado de bravatas.

LUGAR DE BANDIDO DEVE SER AQUI MESMO!

Nada melhor para a imagem do Brasil, do que nossos parlamentares de mãos dadas, celebrando ainda não sei o que, em torno de um assassino, que já foi julgado e condenado.

Um grupo de deputados e senadores visitou nesta terça (17) na prisão, em Brasília, o ex-ativista italiano Cesare Battisti. Entre os parlamentares estavam os senadores José Nery (PSOL-PA) e Eduardo Suplicy (PT-SP) e os deputados Chico Alencar (PSOL-RJ) e Ivan Valente (PSOL-SP). O Supremo retoma nesta quarta o julgamento de extradição do italiano. Battisti foi condenado na Itália por quatro assassinatos ocorridos na década de 70. Ele sempre negou envolvimento com os crimes. (Foto: José Cruz/Agência Brasil) Do
G1

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

DILMA FALA PELA 1ª VEZ SOBRE APAGÃO E REAFIRMA QUE CASO ESTÁ "ENCERRADO"

LORENNA RODRIGUES
da Folha Online, em Brasília
SOFIA FERNANDES
colaboração para a Folha Online, em Brasília

A ministra Dilma Roussef (Casa Civil) falou na tarde desta quinta-feira pela primeira vez sobre o blecaute que atingiu a maior parte do Brasil entre a noite de terça (10) e a madrugada de quarta (11). Assim como o ministro Edison Lobão (Minas e Energia), Dilma também afirmou que o apagão é um "caso encerrado" para o governo e atribuiu o problema a "ventos, raios e chuvas".

Leia a cobertura completa sobre o blecaute
Veja fotos do apagão que atingiu grande parte do país

"O que aconteceu é que o sistema foi submetido a uma situação muito grave de ventos, raios e chuvas. E com isso terminou tendo sido desligado. O sistema se protegeu, ele se desligou", afirmou a ministra, em evento em Brasília.

A ministra da Casa Civil repetiu o que foi dito por Lobão um dia antes, que também atribuiu o blecaute nacional a problemas climáticos.

Dilma foi criticada pela oposição por não ter se pronunciado antes. Ex-ministra de Minas e Energia, ela ocupou a pasta de 2003 a junho de 2005.

Sobre isso, ela afirmou que não entrará em debate com a oposição: "Eu não vou entrar nesse tipo de polêmica, não me interessa, não é por aí. Não se pode politizar uma coisa tão séria para o país, não se faz isso, não é republicano. Não vou comentar, vou responder tecnicamente", disse ela.

Crise

Ela também negou que o blecaute desta semana seja comparável ao apagão ocorrido durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e afirmou que o país está mais preparado que naquela época.

"É absolutamente inequívoco que o Brasil de hoje é completamente diferente do Brasil que sofreu oito meses de racionamento. Primeiro, nós temos energia sobrando. Depois, nós temos um sistema de transmissão robusto", disse.

"Consideramos que hoje estamos em uma situação milhares de vezes melhor do que alguma vez tivemos. É o melhor sistema dos últimos tempos", completou.

"Uma coisa é blecaute, que ninguém pode prometer que não vai ocorrer. O que eu prometi é que não haverá racionamento. Racionamento é barbeiragem", afirmou.

Oposição

A ministra negou que as declarações desta quinta-feira tenham alguma relação com as eleições de 2010. "Não vou entrar nesse tipo de polêmica, esse tipo de polêmica não me interessa", afirmou, encerrando o assunto.

Para a oposição, entretanto, Dilma só não foi porta-voz das explicações do governo para o apagão porque o Planalto tenta blindá-la para as eleições de 2010.

LULA É A 33ª PESSOA MAIS PODEROSA DO MUNDO, DIZ RANKING DA 'FORBES'

Do G1

Lista traz ainda, no 62º lugar, o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, maior produtor mundial de soja.

Da BBC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva é a 33ª pessoa mais poderosa do mundo, segundo um ranking preparado pela revista americana "Forbes" e divulgado nesta quinta-feira (12).

O ranking completo, com 67 nomes, traz ainda o governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, que é o maior produtor mundial de soja, na 62ª posição.

A lista é encabeçada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, seguido pelos presidente da China, Hu Jintao, e pelo premiê e ex-presidente russo Vladimir Putin.

O presidente do Fed, o Banco Central dos Estados Unidos, Ben Bernanke, é considerado pela revista o 4º homem mais poderoso do mundo.

Segundo a revista, a compilação da lista tentou responder a questões como que influência as pessoas têm sobre outras, o controle que elas têm de grandes recursos financeiros e o poder que elas têm em múltiplas esferas.

Perfis
A revista justifica a escolha de Lula como 33º de sua lista dizendo que ele "governa o maior produtor de alimentos do mundo, o maior exportador de açúcar, de suco de laranja, de café, de carne e de frango".

A Forbes comenta que seu "projeto de estimação" é a exploração dos vastos campos de petróleo na costa brasileira, "tornando o país o número 1 no mercado de carbono projetado em US$ 125 bilhões".

No perfil que faz de Blairo Maggi, por sua vez, observa que ele ajudou a fazer da soja o principal produto de exportação brasileiro, mas que foi acusado de desmatar a floresta amazônica, pelo que recebeu o prêmio "Motosserra de Ouro", da ONG Greenpeace, em 2005.

Apesar disso, a revista observa que ele mudou sua imagem com os ambientalistas ao conseguir reduzir dramaticamente o desmatamento no Estado e ao defender uma compensação financeira para que os agricultores não desmatem a floresta.

Lula aparece no ranking pouco acima de figuras como os premiês do Japão, Yukio Hatoyama, e da Índia, Manmohan Singh, e do saudita Osama bin Laden, líder da al-Qaeda, em 35º, 36º e 37º lugares na lista, respectivamente.

Mas fica atrás de outras figuras políticas como os primeiro-ministros da Itália, Silvio Berlusconi (12º lugar), da Alemanha, Angela Merkel (15º), e da Grã-Bretanha, Gordon Brown (29º), ou do líder da Coreia do Norte, Kim Jong Il (24ª posição na lista), e até mesmo do ex-presidente americano Bill Clinton (31ª) ou do prefeito de Nova York, o milionário Michael Bloomberg, que aparece no 20º lugar.

Nos primeiros lugares da lista estão também empresários, como os fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page, em 5º lugar, o mexicano Carlos Slim Helu, em 6º, o magnata da mídia Rupert Murdoch, em 7º, Michael T. Duke, presidente da Wal-Mart, em 8º, e Bill Gates, fundador da Microsoft e homem mais rico do mundo, em 10º.

A "Forbes" observa que a lista tem um nome para cada 100 milhões de habitantes da Terra.

PARLAMENTARES FICHA SUJA

Em breve continuaremos nossa lista de parlamentares que tenham a ficha suja.

Não vote de maneira irresponsável, procure saber quem é o seu representante, não seja idiota, não jogue seu voto no lixo, a luta foi grande para que você pudesse mudar o destino de seu país com apenas um voto.

MENSALÃO FOI TENTATIVA DE GOLPE, DIZ LULA


Presidente insinua suposta armação na aproximação entre PT e Marcos Valério, mas afirma que só falará mais quando deixar cargo

Petista faz críticas à "inveja" de FHC e diz que soube por um interlocutor que a oposição tinha o objetivo de patrocinar seu impeachment

Rede TV/Divulgação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chora durante a gravação de entrevista à RedeTV! ao falar da morte da sua primeira mulher

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o mensalão foi uma tentativa de "golpe" da oposição para derrubá-lo: "Foi uma tentativa de golpe no governo... Foi a maior armação já feita contra o governo", disse ao programa "É Notícia", da RedeTV!, gravado ontem.
Lula disse ter "desconfiança" da relação entre o PT e o publicitário Marcos Valério, insinuando suposta armação na aproximação entre o seu partido e o operador do escândalo de corrupção política que marcou o primeiro mandato do petista: "Marcos Valério não vem do PT, vem de outras campanhas".
Lembrado de que Valério emprestou dinheiro ao PT, que o repassou a deputados aliados, Lula mantém a versão de que o mensalão não existiu, mas evitou falar mais: "Depois que eu deixar a Presidência vou querer me inteirar um pouco mais disso, mas, como presidente, não posso ficar futucando", disse.
Ele disse que nunca recebeu, à época do mensalão, em 2005, uma proposta para desistir de se candidatar à reeleição ou de renunciar, mas afirmou que foi alertado por um interlocutor de que a oposição queria patrocinar o seu impeachment.
A respeito das críticas recentes do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em artigo nos jornais "O Estado de S. Paulo" e "O Globo", nas quais o tucano falava em risco de "subperonismo", Lula disse que seu antecessor é um "poço de mágoas" e que tem "inveja" dele.
Disse que o PSDB não se conforma de um "peão" fazer um governo melhor que o de FHC. Disse que imagina ainda ter uma relação pessoal de amizade com o tucano, mas que politicamente estão estremecidos.
Lula não quis responder diretamente a um comentário do cantor Caetano Veloso em "O Estado de S. Paulo" -o de que Marina Silva "não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro".
Lula reagiu com ironia. Disse que a resposta a Caetano ele dera na noite de anteontem, ao colocar um CD de Chico Buarque para ouvir. Chico é seu cantor preferido -os atores são Antonio Fagundes e Fernanda Montenegro. A cantora, Marisa Monte. Ao falar do filme preferido, "Cinema Paradiso", brincou: disse que esperava que o predileto viesse a ser "Lula, o Filho do Brasil", que terá pré-estreia na semana que vem.
Lula disse que a população entendeu sua metáfora da necessidade de fazer alianças para poder governar: "Se Jesus Cristo viesse para cá, e Judas tivesse a votação num partido qualquer, Jesus teria de chamar Judas para fazer coalizão".
O petista disse que a expressão "nunca antes neste país" não seria injusta com governos anteriores porque alguns de seus feitos são inéditos.
No primeiro bloco da entrevista, Lula chorou ao responder qual havia sido o momento mais difícil de sua vida antes das candidaturas presidenciais: falou que foi a morte da primeira mulher, Lourdes, grávida de sete meses, em 1971. O presidente disse que talvez exagere ao lembrar as qualidades de sua mãe, dona Lindu, mas disse que se lembrava de modo especial.
A entrevista, concedida ao repórter especial da Folha Kennedy Alencar, que também apresenta o programa semanal "É Notícia", irá ao ar no domingo às 19h45, na RedeTV!, e será reprisada após a meia-noite.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ESPULSARAM-NA POR VESTIR UM VESTIDO CURTO

Você pode não acreditar, mas a aluna Geisy Arruda, que foi humilhada com gritos de PU-TA, PU-TA, ameaçada de estupro e que apareceu em rede nacional, foi expulsa da universidade em que estudava, a UNIBAN.

Em nota, a universidade diz que "a aluna tem frequentado as dependências da unidade em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade".

Diz ainda que "Foi constatado que a atitude provocativa da aluna, no dia 22 de outubro, buscou chamar a atenção para si por conta de gestos e modos de se expressar, o que resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar.

E termina com essa:

"Decisão do Conselho Superior da Universidade:
Diante de todos os fatos apurados pela comissão de sindicância, o Conselho Superior, amparado pelo relatório apresentado e nos termos do Regimento Interno, decidiu, com base no Capítulo IV – Regime Disciplinar, artigos 215 e seguintes:


1 – Desligar a aluna Geisy Villa Nova Arruda do quadro discente da Instituição, em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade;


2 – Suspender das atividades acadêmicas, temporariamente, os alunos envolvidos devidamente identificados no incidente ocorrido no dia 22 de outubro.

Nota- se que se você for a Uniban com um vestido curto, será xingada, humilhada e ameaçada de estupro. Mas se você for o agressor, será temporariamente suspenso.

Parece que alguma coisa está errada nesta instituição inquisitória, digo de ensino.

E as imitações de bandidinhos que fizeram toda aquela bagunça? E os que tentavam fotogravar embaixo do vestido? E os que queriam estuprá-la?

UNIBANdidos, tomara que seus alunos não sigam o exemplo desta Unifalsidade.

Da próxima vez será uma aluna com um batom de cor acentuada, ou um aluno com a calça rasgada, ou alguém cantando um funk dos morros.

Preconceito é foda, começa com uma porcaria e termina com limpeza étnica.

Cuidado

Leiam a íntegra da nota da Uniban aqui

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

PRECISA DIZER MAIS ALGUMA COISA?

VENEZUELA, SEJA BEM - VINDA AO MERCOSUL!

As repercussões da aprovação na Comissão de Relações Exteriores do Senado da entrada da Venezuela no Mercosul são claros exemplos de como grande parte da mídia e a oposição no Brasil comportam-se de maneira esquizofrênica na hora de debater o que realmente interessa ao país.

De maneira míope, tentaram usar o pedido de ingresso no Mercosul, feito pelo Estado da Venezuela, para atacar o governo do presidente Lula.

A bem da verdade, caso tivesse prevalecido a vontade da oposição, o resultado seria desastroso. Imagine o que aconteceria se, após a aprovação da Argentina e do Uruguai, o Senado brasileiro tivesse barrado a entrada do Estado venezuelano Mercosul?

É compreensível que haja frustração da oposição com as vitórias obtidas na política externa brasileira nos últimos seis anos e meio, entre elas, a retomada do Mercosul, abandonado no governo tucano de Fernando Henrique Cardoso.

Mas daí a arriscar o avanço e a consolidação do bloco e as relações diplomáticas com um país vizinho a distância é gigantesca. A prova inconteste dessa defasagem é que até a oposição a Hugo Chávez quer a Venezuela no Mercosul.

E há excelentes motivos para defender a ampliação do bloco, tanto do lado dos países fundadores, quanto do lado venezuelano.

O primeiro é diplomático, pois a negativa seria ato de hostilidade contra uma nação historicamente amiga. Além disso, sairão fortalecidas as posições dos países da América do Sul em futuras negociações com outros blocos, fator que é também político.

Há benefícios para o comércio e a indústria brasileiras, pois é incontestável que a economia venezuelana tem conseguido bons resultados, empurrada por sua produção de petróleo.

É um país com mercado interno atraente, portanto, estratégico aos interesses do Brasil. Com a entrada no Mercosul, uma ampla e variada lista de produtos brasileiros poderão chegar aos venezuelanos com tarifa zero.

Além disso, a adoção da TEC (Tarifa Externa Comum) para fora do bloco pode ampliar o espaço dos produtos brasileiros. O mesmo raciocínio aplica-se ao setor de serviços.

São igualmente fortes os argumentos políticos pela entrada da Venezuela. Afinal, é via bloco comercial coeso que se conseguirá êxitos nos foros internacionais.

Só a ação conjunta tornará possível avançar pacificamente no rumo da prosperidade econômica e do fim das desigualdades sociais.

Risíveis as declarações de que a Venezuela trará instabilidade política por causa de Chávez, pois a avaliação do Senado deve ser sobre o Estado, não sobre o governo venezuelano.

Além disso, quaisquer fraquezas institucionais que subsistem nas nações sul-americanas não são superadas pela política do isolamento, que só as agrava.

É a política da inclusão que solucionará tais problemas. Nesse sentido, o Mercosul contribui para reforçar os fundamentos do Estado de Direito na região.

As críticas devem existir, sem dúvida, mas deveriam buscar o aprimoramento do bloco, não sua derrocada.

E há muito a ser perseguido: criar instituições jurídicas (tribunal para dirimir controvérsias) e representativas (Parlamento); estabelecer o Banco do Sul e uma moeda comum; pôr fim à cobrança dupla na TEC; formar um fundo de compensação para Uruguai, Paraguai e Bolívia (que também deve ingressar no bloco); resolver as divergências existentes; e definir uma política industrial regional.

Objetivar essa pauta, com a colaboração da Venezuela, é fundamental para atrair outros países e defender os interesses dos povos sul-americanos.

Entender que os problemas são entraves definitivos e insuperáveis é desconhecer como se constrói alianças políticas e econômicas entre países tão assimétricos e desiguais como os da América do Sul.

É também não observar o que se passa na União Européia e na Organização Mundial do Comércio, que lidam com as mesmas dificuldades de adequação de realidades.

É, por fim, esquecer que são as decisões políticas e ideológicas que conformam as alianças aduaneiras.

Agora, falta a deliberação do plenário do Senado do Brasil e do Congresso do Paraguai para que a Venezuela integre o Mercosul. Pelas razões enumeradas, a decisão acertada será pela aprovação.

E que seja bem-vinda, Venezuela!

José Dirceu, 63, é advogado e ex-ministro

Do Blog do Noblat

sábado, 31 de outubro de 2009

US $400.000,00 POR CERCA DE 120 SEGUNDOS - A CENA MAIS CARA DA HISTÓRIA?

PRECONCEITO E FALTA DE RESPEITO EM UNIVERSIDADE PAULISTA

Existem coisas que a gente acha que nunca mais veria dentro de uma universidade, local que deveria ser frequentado por pessoas um pouco mais instruídas que a maioria da população brasileira, mas o que vimos alguns dias atrás foi que aquele lugar nada mais é que um antro de preconceito, molecagem e total falta de respeito por parte de seus alunos.

O vídeo mostrando uma aluna sendo humilhada por causa de uma roupa que nem chama tanta atenção, nos mostra o nível dos universitários que estão sendo formados em nosso país.

Um país que não sabe ler, escrever e principalmente não sabe votar.

Os vídeos que rolam na internet nada mais são que a prova que temos que reformular nosso sistema de ensino.

Aquilo não é uma universidade, é um zoológico.

UMA BELA IMAGEM!


Do G1

Foto: AFP
Menina participa de ato de apoio ao presidente de Honduras, Manuel Zelaya, nesta sexta-feira (30), em frente ao prédio do Congresso, em Tegucigalpa. (Foto: AFP)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

VENEZUELA NO MERCOSUL, SERÁ QUE VAI?

A Comissão de Relações Exteriores aprovou por 12 votos a 5 o ingresso da Venezuela no Mercosul. O parecer da comissão vai agora ser votado pelo plenário.

Existem opiniões contra e a favor da entrada da Venezuela, escolhi dois textos que são bem claros, cada um com sua opinião.

O primeiro é do Blog do Anselmo cujo título é: "Até oposição a Chaves quer Venezuela no Mercosul"

Até Ledezma, oposição a Chavez, quer Venezuela no Mercosul;

Só os tucanos não querem: eles jogam contra o Brasil?

Estive na Venezuela duas vezes, nos últimos 3 anos.

No fim de 2007, acompanhei como jornalista o referendo em que Chavez tentou aprovar uma ampla reforma constitucional: ele queria incluir o tema do socialismo na Constituição venezuelana. Perdeu. E aceitou o resultado.

Depois do referendo, passei mais uma semana em Caracas, produzindo reportagens especiais para a TV Record, ao lado do cinegrafista Josias Erdei. Numa delas, mostramos o funcionamento da rede Mercal. Trata-se de uma enorme rede de mercados estatais, que vende produtos a preço subsidiado.

O maior Mercal de Caracas fica dentro do "Forte Tiúna" - local do comando do Exército venezuelano. Lá, vimos a movimentação impressionante de caraquenhos à espera da hora certa para levar sua cesta de produtos.

Duas coisas me chamaram atenção:

1) não havia tumulto, apesar da fila gigantesca; várias pessoas me disseram - "para que os pobres possam comprar mais barato, é preciso ter paciência, porque há muitos pobres em Caracas"; ou seja, a fila era vista como uma contingência;

2) a maior parte dos produtos à venda era de origem brasileira; mostramos isso na reportagem - carne, frango, grãos... tudo importado do Brasil.

Na época, fiquei imaginando quanto os empresários brasileiros estavam ganhando na Venezuela.

E esse é o ponto que me interessa aqui. As empresas brasileiras (de alimentos, mas também as construtoras, nas obras públicas) ganham dinheiro a rodo na Venezuela. Parte da imprensa brasileira grita contra a Venezuela, mas o país de Chavez é um bom parceiro comercial para o Brasil.

Do ponto de vista estratégico, parece-me absurda a tática da oposiçao brasileira, que tenta vetar a adesão da Venezuela ao Mercosul. Tasso Jereisatti (PSDB-CE) apresentou parecer na Comissão de Relações Exteriores do Senado, vetando a entrada. O parecer ainda vai a voto. A oposição acha que - se impedir a entrada da Venezuela - estará impondo uma derrota a Lula. Pensamento torto. Burro.

Até a oposição a Chavez, na Venezuela, quer o país no Mercosul.

Antonio Ledezma é um opositor ferrenho de Chavez. Ganhou recentemente a eleição para governar Caracas; seria o equivalente ao cargo de governador da região metroplitana, porque lá existem vários municípios na capital, cada um com seu "prefeito"; acima deles, há o "governador". Ledezma ocupa esse cargo estratégico. E é da oposição.

Pois bem. Ele esteve no Brasil esta semana, visitou vários jornais (claro, os jornais brasileiros são grandes parceiros da oposição venezuelana) e advinhem o que ele falou ao "Estadão"? Disse que o Brasil precisa apoiar a entrada da Venezuela no Mercosul. O argumento dele é muito inteligente. Confiram. A reportagem está aqui - http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,ledezma-fui-vitima-de-um-golpe-de-estado-de-chavez,447211,0.htm .

Ou seja: a oposição brasileira é tão mesquinha, tão equivocada, que nesse ponto até a oposição venezuelana é mais avançada.

Venezuela (com Chavez ou sem Chavez) no Mercosul significa Mercosul mais forte.

Mercosul mais forte signifca América do Sul mais estável, e significa Brasil mais forte.

Mas a oposição brasileira não quer Brasil mais forte. Parece mais ocupada em ser despachante de luxo para interesses de empresas petroleiras dos EUA (empresas que estão de olho no pré-sal).

Essa oposição brasileira é fraquinha demais. Até o Ledezma, lá da Venezuela, já percebeu.


O segundo texto é do Blog do Reinaldo Azevedo, cujo título é: "Venezuela no Mercosul - O protocolo e a pilantragem".

Pois é, não é? Sou mesmo um chato. A canalha sai gritando que houve um golpe em Honduras, lá vou ler a Constituição de Honduras para constatar o óbvio - para quem a lê? Não foi o golpe. A mesma canalha sai afirmando que Daniel Ortega não está tentando dar um golpe institucional na Nicarágua, lá vou eu ler a Constituição da Nicarágua para constatar: sim, o Orelhudo molestador de enteadas está tentando dar um golpe em seu país. Agora, gente como Romero Jucá, a serviço do lulo-petralhismo, diz que a adesão da Venezuela não viola os princípios do Mercosul, e este escriba, em vez de ficar no debate-boca - “uns dizem que sim, outros que não”, faz o quê? Ora, vai ver o protocolo do Mercosul que trata do assunto. Há documentos a respeito.

Tenho uma relação de absoluta honestidade com os meus leitores. Sempre informo os meus critérios e os dados com os quais estou operando. Se trato de questões lógicas, advirto: “A lógica diz…” Se estou operando com matéria de crença ou de convicção moral, também alerto: “Acho que…” E deixo sempre muito claro quando estou me atendo à letra da lei, como nesse caso.

Digamos que alguns considerem a ditadura venezuelana uma coisa boa - é o caso de Lula, por exemplo. Ele gosta tanto, que já chamou o regime de “democracia até demais”. Pois bem. Neste texto, serei apenas o legalista, vou me ater à letra do Protocolo de Ushuaia, incorporado ao Protocolo de Assunção - fundador do Mercosul - que trata da questão democrática. Não há ali espaço para ambigüidade. Diz o tal protocolo:

A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL, assim como a República da Bolívia e a República de Chile, doravante denominados Estados Partes do presente Protocolo,

REAFIRMANDO os princípios e objetivos do Tratado de Assunção e seus Protocolos, assim como os dos Acordos de Integração celebrados entre o MERCOSUL e a República da Bolívia e entre o MERCOSUL e a República do Chile,

REITERANDO o que expressa a Declaração Presidencial de las Leñas, de 27 de junho de 1992, no sentido de que a plena vigência das instituições democráticas é condição indispensável para a existência e o desenvolvimento do MERCOSUL.

RATIFICANDO a Declaração Presidencial sobre Compromisso Democrático no MERCOSUL e o Protocolo de Adesão àquela Declaração por parte da República da Bolívia e da República do Chile,

ACORDAM O SEGUINTE:
ARTIGO 1
A plena vigência das instituições democráticas é condição essencial para o desenvolvimento dos processos de integração entre os Estados Partes do presente Protocolo.
ARTIGO 2
O presente Protocolo se aplicará às relações que decorram dos respectivos Acordos de Integração vigentes entre os Estados Partes do presente protocolo, no caso de ruptura da ordem democrática em algum deles.
ARTIGO 3
Toda ruptura da ordem democrática em um dos Estados Partes do presente Protocolo implicará a aplicação dos procedimentos previstos nos artigos seguintes.
ARTIGO 4
No caso de ruptura da ordem democrática em um Estado Parte do presente Protocolo, os demais Estados Partes promoverão as consultas pertinentes entre si e com o Estado afetado.
ARTIGO 5
Quando as consultas mencionadas no artigo anterior resultarem infrutíferas, os demais Estados Partes do presente Protocolo, no âmbito específico dos Acordos de Integração vigentes entre eles, considerarão a natureza e o alcance das medidas a serem aplicadas, levando em conta a gravidade da situação existente.
Tais medidas compreenderão desde a suspensão do direito de participar nos diferentes órgãos dos respectivos processos de integração até a suspensão dos direitos e obrigacões resultantes destes processos.

Voltei
A Venezuela, com suas reiteradas agressões aos direitos individuais, à liberdade de imprensa e à ordem democrática, não poderia pertencer ao Mercosul, é óbvio. Aliás, segundo o que vai acima, se pertencesse, seria o caso de considerar a sua expulsão. É o que está no protocolo. Não é assim porque eu quero.

O governo Lula tem a maioria na Comissão do Senado? Tem. O Parlamento brasileiro tem vocação para a independência, uma condição republicana? Não! Tem vocação, com raras exceções, para a subserviência. Assim, vai-se jogar fora a letra do tratado e se vai votar favoravelmente ao ingresso de uma quase ditadura no bloco. A desculpa é boa: isolada, a Venezuela poderia ser pior. As ditaduras, agora, já sabem que o que as fará paparicadas pelas democracia é justamente o regime de exceção.

Seria coisa de asnos não fosse coisa de pilantras. Em alguns casos, é a pilantragem ideológica das esquerdas. Em outros, é a pilantragem sem adjetivos mesmo, que será sempre subserviente ao Executivo porque isso, afinal de contas, é bastante lucrativo.



Leiam, tirem suas conclusões, pesquisem mais e formem suas opiniões.

Nosso país está como está, devido ao fato de não escolhermos corretamente nossos representantes, erro que cometemos há muitos anos. Hoje temos informação mais fácil, variedade de opiniões, infelizmente nem todos tem acesso às novas tecnologias da informação, mas nós, temos a obrigação repassar informações a todos.

DILMA REBATE DECISÃO DOS GOLPISTAS HONDURENHOS DE SE QUEIXAR CONTRA O BRASIL EM HAIA


Do Blog do Anselmo Raposo

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, rebateu a decisão do governo golpista de Honduras de ingressar com uma queixa contra o Brasil no Tribunal de Haia. O governo interino hondurenho alega intervenção do governo brasileiro em assuntos internos do país, segundo a agência de notícias BBC Brasil.

Ainda conforme a BBC, o governo golpista teria pedido uma indenização ao Brasil "por danos causados" pelo fato de oferecer abrigo ao presidente deposto, Manuel Zelaya, desde o dia 21 de setembro, na embaixada brasileira em Tegucigalpa, a capital hondurenha.

Para Dilma, o governo de Roberto Michelleti é que deve explicações à comunidade internacional. “O Brasil não está interferindo em nada. O Brasil simplesmente acompanha esse assunto de forma a ter uma posição que representa o que é a nossa convicção de direito humanos, direito internacional e respeito mínimo ao que é estipulado sobre direito de abrigo”, disse a ministra.

Dilma comentou o assunto na noite de ontem (28), ao chegar para jantar com a bancada do PP na casa do líder do partido, deputado Mário Negromonte (BA).

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

INTEGRANTE DO PÂNICO É DETIDO COM COCAÍNA



O integrante do programa “Pânico na TV” X#$$%$#, exibido pela Rede TV!, foi detido na manhã desta quarta-feira com um pino de cocaína na zona norte de São Paulo.

Por volta das 7h, policiais militares receberam um denúncia anônima de que dois homens estariam armados na rua Capela da Lagoa, no Parque Panamericano. Durante a revista policial foi encontrado o entorpecente no bolso do dito cujo. Segundo a PM, ele resistiu à abordagem policial.

O integrante do programa humorístico foi encaminhado ao 74º DP, na Parada de Taipas, para a elaboração de um TC (Termo Circunstanciado), já que a quantidade apreendida o classifica como usuário.

A reportagem entrou em contato com a produção do programa que disse não ter conhecimento do ocorrido.

KKKKKKKKk advinha quem era…


Ronaldo!

OLHA O NÍVEL DA DECLARAÇÃO DESTA BESTA

Qual será a desculpa que será dado pelo Sr. Requião, sobre esta sandice dita de forma tão irresponsável

terça-feira, 27 de outubro de 2009

VOCÊ DECIDE - SERYS SLHESSARENKO

Do Transparência Brasil

Serys Slhessarenko (PT-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Serys Marly Slhessarenko

CPF: 437.907.207-04

Período: 2003-2011

Cargo anterior:
Deputada estadual (PT-MT)

Cargos relevantes: Secretária municipal de Educação de Cuiabá (1986-1987). Secretária estadual de Educação (1987-1988). Deputada estadual por três legislaturas (1991-1995/1995-1999/1999-2003, PT-MT).

Outros dados relevantes: Formada em pedagogia e direito. Foi candidata a governadora em 2006 pelo PT.

Histórico de filiações partidárias: PT.

e-mail: serys@senadora.gov.br

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

O Ministério Público do Mato Grosso do Sul, que investiga desvios de recursos no governo de Zeca do PT, encaminhou à Procuradoria Geral da República suspeita de que a senadora Serys Slhessarenko teria recebido parte desse dinheiro em financiamento à sua campanha ao governo do Mato Grosso (O Estado de S. Paulo, 10.nov.2007).

Teria sido beneficiado por atos secretos editados pelo Senado entre 1995 e 2009 (O Estado de S. Paulo, 23.jun.2009).

O relatório da CPMI dos Sanguessugas dá conta de que existem indícios do envolvimento deste parlamentar com as irregularidades investigadas no âmbito do escândalo da Máfia das Ambulâncias (O Estado de S.Paulo, 10.ago.2006, Folha de S. Paulo, 11.ago.2006, Gazeta (AC) - Folhapress, 11.ago.2006).

Leia aqui o relatório parcial da CPMI dos Sanguessugas e seus anexos.

VOCÊ DECIDE - OSVALDO SOBRINHO

Do Transparência Brasil

Osvaldo Sobrinho (PTB-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Osvaldo Roberto Sobrinho

CPF: 048.234.861-53

Período: 2007-2015

Cargos relevantes: Deputado federal (1987-1991, PMDB-MT). Vice-governador e secretário de Educação do Mato-Grosso (1991-1994). Exerceu o mandato de deputado federal como suplente na legislatura 1999-2003 pelo PTB em 1999, 2000 e 2001. Secretário de governo da prefetura de Cuiabá (2009). Suplente na legislatura 2007-2015, assumiu o mandato de senador pelo PTB em setembro de 2009 na vaga de Jayme Campos, que está licenciado.

Outros dados relevantes: Formado em economia, estudos sociais e direito. É professor. Detém concessão de radiodifusão em Cuiabá e Guarantá do Norte (MT).

Histórico de filiações partidárias: ARENA, PP, PMDB, PTB, PSDB e PTB.

e-mail: osvaldo.sobrinho@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PTB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TCU Acórdão Nº1056/2005 - Julgadas irregulares as contas da secretaria de Educação do Mato Grosso. Multado em R$ 40.000,00.

TJ-MT Comarca de Cuiabá Vara Especial de Ação Civil Pública e Ação Popular - É processado em ação civil pública de improbidade administrativa Nº333/2008 movida pelo Ministério Público.

Deu no Jornal

Foi condenado pelo Tribunal de Contas da União por irregularidades no uso de recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, quando exercia o cargo de secretário de Educação do Mato Grosso (A Gazeta, 30.ago.2005).

VOCÊ DECIDE - GILBERTO GOELLNER

Do Transparência Brasil

Gilberto Goellner (DEM-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Gilberto Flávio Goellner

CPF: 090.388.840-87

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Suplente, assumiu o mandato na legislatura 2003-2011 na vaga do senador Jonas Pinheiro, morto em fevereiro de 2008.

Outros dados relevantes: Formado em agronomia. Proprietário rural, é produtor de soja e algodão. Foi diretor e vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (ABRASEM) (1986-1998). Fundador e primeiro presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (ABRASOJA) (1990-1992).

Histórico de filiações partidárias: PPS, PFL e DEM.

e-mail: gilberto.goellner@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PPS.


Deu no Jornal

Ocupando o apartamento funcional cedido pelo senado recebeu o auxílio-moradia, e terá que ressarcir a quantia correspondente aos cofres públicos (Correio Braziliense, 29.mai.2009)

VOCÊ DECIDE - THELMA DE OLIVEIRA

Do Transparência Brasil

Thelma de Oliveira (PSDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Thelma Pimentel Figueiredo de Oliveira

CPF: 171.785.171-15

Cargo anterior:
Deputada federal (PSDB-MT)

Cargos relevantes: Presidente da Fundação de Promoção Social de Mato Grosso (Prosol) (1995-2002).

Outros dados relevantes: Formada em enfermagem. Viúva do ex-governador do Mato Grosso Dante de Oliveira, morto em julho de 2006.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1989-1997; PMDB, 1984-1989; PSDB, 1997-2002; MDB, 1978-1984.

e-mail: dep.thelmadeoliveira@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 76.770

Eleito(a) pelo PSDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TJ-MT Comarca de Cuiabá - É processada pelo Ministério Público por improbidade administrativa na ação Nº290/2008 da vara especial de ação civil pública e ação popular, comarca cível de Cuiabá.

VOCÊ DECIDE - PROFESSOR VICTORIO GALLI

Do Transparência Brasil

Professor Victorio Galli (PMDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Victorio Galli Filho

CPF: 257.557.731-49

Cargos relevantes: Suplente na legislatura 2007-2011, assumiu o mandato de deputado federal pelo PMDB licenciado Carlos Bezerra entre outubro de 2007 e janeiro de 2008. Reassumiu o mandato em julho de 2009 na vaga de Wellington Fagundes

Outros dados relevantes: Formado em pedagogia. É professor de teologia e membro da igreja Assembléia de Deus.

e-mail: dep.professorvictoriogalli@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 22.981

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

VOCÊ DECIDE - PEDRO HENRY

Do Transparência Brasil

Pedro Henry (PP-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Pedro Henry Neto

CPF: 175.068.671-68

Cargo anterior:
Deputado federal (PPB-MT)

Cargos relevantes: Vice-prefeito de Cáceres (1992-1996, PPS-MT). Deputado federal por três legislaturas (1996-1999, PDT-MT; 1999-2003, PSDB-MT; 2003-2007, PPB-MT).

Outros dados relevantes: Formado em medicina. Foi médico legista da Secretaria de Segurança Pública do Mato Grosso (1984-1996) e da Secretaria de Justiça do Estado de Mato Grosso, Delegacia Regional de Polícia de Cáceres (1985-). É irmão de Ricardo Henry, prefeito reeleito de Cáceres.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1993-1995; PP, 2003-; PPB, 2001-2003; PPS, 1991-1993; PSDB, 1995-2001.

e-mail: dep.pedrohenry@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 73.312

Eleito(a) pelo PP.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Ação Penal Nº470/2007 - É o processo do caso do Mensalão. Henry responde por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

TRF-1 Seção Judiciária de Brasília Improbidade Administrativa Nº2007.34.00.029882-3 - É processado em ação civil movida pelo Ministério Público, referente ao caso do Mensalão.

TRF 5ª Região Agravo de Instrumento Nº2008.01.00.042313-4 - É agravado em processo referente à Ação Civil Pública Nº2006.36.00.013541-6, processo por improbidade administrativa, relacionado ao escândalo dos sanguessugas, que tramita em primeira instância na 5ª Vara Federal do Mato Grosso.

TSE Recurso Contra Expedição de Diploma Nº668/2007 - Compra de votos e uso da máquina; processo oriundo do TRE-MT (Recurso Contra Expedição de Diploma Nº52/2006).

TRE-MT Representação Nº796/2006 - Teve o diploma cassado e foi multado em 15 mil UFIRs por captação ilícita de sufrágio. O parlamentar recorre da decisão (TSE Recurso Ordinário Nº1533/2008).

Deu no Jornal

É um dos 37 réus no processo relacionado ao caso do Mensalão. Denunciado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o deputado é acusado de, em contrapartida a dinheiro recebido, garantir apoio parlamentar ao governo federal. Segundo a denúncia da PGR, o grupo formado por Henry e outros deputados do PP recebeu R$ 4,1 milhões. O deputado foi também denunciado pelo Ministério Público Federal por improbidade administrativa. A primeira denúncia envolvendo Henry no esquema partiu de Roberto Jefferson. Foi absolvido na Câmara quando foi votado seu processo de cassação (O Estado de S. Paulo, 12.abr.2006; Folha de S. Paulo, 16.mar.2006; Diário de Cuiabá, 21.ago.2007; A Gazeta, 28.ago.2007).

Em depoimento à Justiça Federal, o empresário Luiz Antônio Vedoin, da Planam, disse ter dado ao deputado em 2002 uma Blazer 0 km, além de R$ 140 mil em propina. Segundo Vedoin, era o próprio Henry quem negociava as licitações com os prefeitos. A camionete não foi incluída pelo deputado em sua declaração de bens; ele afirma que, entre 2005 e 2006, vendeu o veículo e restituiu à Planam o valor correspondente. O deputado também foi flagrado pelas escutas telefônicas da Polícia Federal sobre o caso, tentando agilizar o andamento de uma emenda no ministério. Henry responde a processo de improbidade administrativa na Justiça Federal do Mato Grosso (Estado de Minas, 28.jul.2006; Folha de S. Paulo, 30.jul.2006; O Estado de S. Paulo, 9.ago.2006; O Globo, 11.ago.2006; A Gazeta, 26.ago.2007).

Teve o mandato cassado pelo Justiça Eleitoral por compra de votos e gastos de campanha ilícitos. O deputado permanece no exercíco do mandato parlamentar em função de liminar concedida pelo TSE, enquanto aguarda a análise de recurso contra a decisão (O Globo, 24.nov.2007; A Gazeta, 20.dez.2007; Diário de Cuiabá, 28.fev.2008).

O Ministério Público Federal interpôs ação acusando a família Henry de monopolizar meios de comunicação no município de Cáceres. De acordo com os autos, a família detém a TV Pantanal, a TV Descalvados e a Rádio Clube de Cáceres. O MPF afirma ainda que "laranjas" teriam sido usados como sócios para encobertar o monopólio e garantir a neutralização de adversários políticos da família. A programação ficará suspensa até o julgamento da ação (Diário de Cuiabá, 4.out.2008).

VOCÊ DECIDE - HOMERO PEREIRA

Do Transparência Brasil


Homero Pereira (PR-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Homero Alves Pereira

CPF: 726.065.098-20

Cargos relevantes: Deputado estadual (1993-1994, PDC-MT). Superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (CANAB) de Cuiabá (1995-1996). Superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Mato Grosso (1996-2002). Secretário estadual de Desenvolvimento Rural (2003-2005).

Outros dados relevantes: Formado em economia. Foi membro da executiva estadual do PPS de Mato Grosso. Proprietário rural, foi vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado do Mato Grosso (FAMATO) (1991-2004) e é vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) desde 2004.

Histórico de filiações partidárias: PR, 2007-; PDC, 1990-1994; PPB, 1994-; PPS, 2001-2007.

e-mail: dep.homeropereira@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 100.114

Eleito(a) pelo PPS.


Deu no Jornal

Informações divulgadas em vídeos dão conta de quee teria sido negociado o apoio de candidatos a vereador pelo PRTB em Cuiabá à candidatura de Mauro Mendes (PR) à prefeitura. Homero Pereira teria participado dessas negociações. O Ministério Público deve iniciar investigação sobre o caso (Revista Época, 17.out.2008; A Gazeta, 18.out.2008, 23.out.2008).

Responde a ação por abuso de poder político na campanha de 2006. O coordenador de sua campanha foi flagrado fazendo propaganda com um carro da Empresa Matogrossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) (A Gazeta, 26.set.2007).

VOCÊ DECIDE - ELIENE LIMA

Do Transparência Brasil

Eliene Lima (PP-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Eliene Jose de Lima

CPF: 288.859.706-30

Cargo anterior:
Deputado estadual (PSB-MT)

Cargos relevantes: Vereador de Cuiabá (1993-1994, PDT-MT). Deputado estadual por três legislaturas (1995-1999/1999-2003/2003-2007, PSB-MT).

Outros dados relevantes: Formado em engenharia. Presidente do diretório municipal do PSB de Cuiabá (2000-2004).

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1991-1993; PP, 2005-; PSB, 1993-2005.

e-mail: dep.elienelima@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 65.855

Eleito(a) pelo PP.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Inquérito Nº2737/2008 - Tráfico de influência.

STF Inquérito Nº2678/2008 - Captação ilícita de votos.

STF Inquérito Nº2667/2007 - Uso de documento falso.

STF Inquérito Nº2599/2007 - Crime eleitoral; alistamento de eleitor.

STF Inquérito Nº 2772/2008 - Indicado por crime contra a ordem tributária. Corre sob segredo de justiça.

Deu no Jornal

É investigado no STF por tráfico de influência. O deputado teria integrado esquema de intervenção no Detran/MT para a anulação de multas de trânsito (O Popular, 10.jul.2008; A Gazeta, 1.set.2008).

O Ministério Público Eleitoral pediu a cassação de seu diploma no TSE por compra de votos; o deputado teria distribuído vales-combustível a eleitores (Diário de Cuiabá, 19.abr.2007).

VOCÊ DECIDE - CARLOS BEZERRA

Do Transparência Brasil

Carlos Bezerra (PMDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Carlos Gomes Bezerra

CPF: 008.349.391-34

Cargos relevantes: Deputado estadual (1975-1979, MDB-MT). Prefeito de Rondonópolis por dois mandatos (1983-1986/1993-1994, PMDB-MT). Deputado federal (1979-1983, PMDB-MT). Governador (1987-1990, PMDB-MT). Senador (1995-2003, PMDB-MT). Foi presidente do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) (2004-2005).

Outros dados relevantes: Formado em direito e ciências sociais. Foi fundador da Associação Cuiabana de Estudantes Secudaristas (ACES) (1960). Foi fundador do MDB de Mato Grosso (1966). Marido de Teté Bezerra, ex-deputada federal.

Histórico de filiações partidárias: PMDB, 1980-; PTB, 1960-1964; MDB, 1966-1980.

e-mail: dep.carlosbezerra@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 75.365

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Inquérito Nº2755/2008 - Peculato, corrupção ativa e passiva.

STF Inquérito Nº2500/2007 - Crime contra a administração pública (peculato).

TRF 1ª Região Agravo de Instrumento Nº2007.01.00.048098-0 - Negado. Referente a ação civil pública (TRF 1ª Região 3ª Vara Federal do Mato Grosso - Processo Nº2007.36.00.013577-0) por improbidade administrativa que tramita em primeira instância, relacionada ao caso da máfia dos Sanguessugas.

TCU Acórdão Nº1829/2004 - Irregularidade na licitação da Dataprev para alugar equipamentos de informática quando era presidente do INSS.

TCU Acórdão Nº1109/2006 - Favorecimento do banco BMG no programa de oferecimento de crédito consignado aos aposentados do INSS; multado em R$ 15.000,00.

TCU Acórdão Nº994/2006 - Contratação da Fundação Universidade de Brasília (FUB) para serviço de endomarketing sem licitação; justificativa recusada. O contrato, celebrado pessoalmente por Bezerra e pelo reitor da UNB, Lauro Morhy, foi rescindido amigavelmente. O TCU, no entanto, multou Bezerra em R$ 15.000,00.

Deu no Jornal

Teria sido denunciado ao STF por envolvimento com a máfia dos sanguessugas, sob as acusações de formação de quadrilha, crimes contra a paz pública, corrupção passiva e crimes contra a administração pública. O deputado também enfrenta ação civil por improbidade administrativa na Justiça Federal (A Gazeta, 20.jan.2007; Correio Braziliense, 1.out.2007).

Por ter sido senador na legislatura 1995-2002 recebeu do Senado reembolso por despesas médicas e odontológicas. Esse pagamento teria sido irregular pois decisão da Mesa Diretora do Senado veda o reembolso a ex-senadores que recebem benefício similar de outra fonte, como é o caso de Bezerra, que usufrui da assistência médica oferecida pela Câmara (A Gazeta, 21.mar.2009)

Teria favorecido o banco BMG na obtenção de vantagens no oferecimento de crédito consignado a aposentados do INSS, quando foi presidente do instituto. O esquema foi investigado pela CPI dos Correios. O deputado foi acusado de haver recebido propina de R$ 150 mil pelo acordo. Foi multado pelo TCU em R$ 15 mil por irregularidades no contrato com o banco (O Estado de S. Paulo, 21.set.2005; Folha do Estado, 3.mai.2006; Revista Isto É, 13.mai.2006; Folha de S. Paulo, 22.jan.2007; Jornal do Brasil, 12.set.2007).

Enquanto presidente do INSS, foi acusado de firmar contrato irregular com a Fundação Universidade de Brasília (FUB), sem licitação (O Globo, 25.abr.2005; Folha do Estado, 28.abr.2005).

Teria realizado contratos superfaturados de aluguel de computadores para as agências do INSS, quando era presidente do instituto. A Justiça Federal abriu processo criminal contra o deputado. (A Gazeta, 7.dez.2004; Folha de S. Paulo, 22.jan.2007).

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

Quando governador do Mato Grosso, nomeou sua mulher, Teté Bezerra, para a presidência da Fundação de Promoção e Assistência Social de Mato Grosso (Prosol) (A Gazeta, 19.mar.2007).

Teria protegido prefeito suspeito de crime, o Zé da Guia, através de tráfico de influência (O Globo, 26.abr.2004).

VOCÊ DECIDE - CARLOS ABICALIL

Do Transparência Brasil

Carlos Abicalil (PT-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Carlos Augusto Abicalil

CPF: 697.211.067-04

Cargo anterior:
Deputado federal (PT-MT)

Outros dados relevantes: Formado em filosofia. Professor da educação básica. Foi diretor da Escola Estadual Antônio Cristino Cortes, em Barra do Garças(1988-1991).

Histórico de filiações partidárias: PT, 1992-.

e-mail: dep.carlosabicalil@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 128.851

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - VALTER PEREIRA

Do Transparência Brasil

Valter Pereira (PMDB-MS)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Valter Pereira de Oliveira

CPF: 004.165.501-00

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Vereador de Campo Grande (1973-1975, MDB-MS). Deputado estadual por duas legislaturas (1975-1979, MDB-MS; 1983-1987, PMDB-MS). Secretário estadual de Educação (1988-1989). Deputado federal por três mandatos (1979-1982/1987-1991/1991-1995, PMDB-MS). Presidente da Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (ENERSUL) (1995-1997).

Outros dados relevantes: Formado em direito. Suplente na legislatura 2003-2011, assumiu o mandato de senador na vaga de Ramez Tebet (PMDB-MS), morto em 2006.

Histórico de filiações partidárias: MDB e PMDB.

e-mail: valterpereira@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PMDB.


Deu no Jornal

Empregou o sobrinho em seu gabinete (O Estado, 2.nov.2008).

VOCÊ DECIDE - DELCÍDIO AMARAL

Do Transparência Brasil


Delcídio Amaral (PT-MS)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Delcídio do Amaral Gomez

CPF: 011.279.828-42

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Diretor da Eletrosul (1991). Ministro de Minas e Energia (1994-1995). Presidente do Conselho de Administração da Companhia Vale do Rio Doce (1994). Diretor de Gás e Energia da Petrobrás (2000-2001). Secretário estadual de Infra-estrutura e Habitação (2001).

Outros dados relevantes: Formado em engenharia. Foi presidente da CPMI dos Correios (2005-2006). Concorreu ao governo de Mato Grosso do Sul em 2006.

Histórico de filiações partidárias: PSDB e PT.

e-mail: delcidio.amaral@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

Está em curso investigação no Ministério Público do Mato Grosso do Sul sobre suposto esquema de caixa dois para financiamento de campanha que envolveria o governo Zeca do PT e gráficas do estado e que teria beneficiado o senador (Folha de S. Paulo, 08.dez.2007; Diário de Cuiabá, 04.dez.2007).

Teria sido beneficiado por atos secretos editados pelo Senado entre 1995 e 2009 (O Estado de S. Paulo, 23.jun.2009).

VOCÊ DECIDE - WALDEMIR MOKA

Do Transparência Brasil


Waldemir Moka (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Waldemir Moka Miranda de Britto

CPF: 143.326.041-72

Cargo anterior:
Deputado federal (PMDB-MS)

Cargos relevantes: Vereador de Campo Grande (1982-1986). Deputado estadual por duas legislaturas (1987-1991/1991-1995, PMDB-MS). Deputado federal por dois mandatos (1999-2003/2003-2007, PMDB-MS).

Outros dados relevantes: Formado em medicina.

Histórico de filiações partidárias: PMDB, 1981-; MDB.

e-mail: dep.waldemirmoka@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 100.655

Eleito(a) pelo PMDB.


Deu no Jornal

É alvo de uma ação popular que questiona o pagamento de pensões pelo extinto Fundo Estadual de Aposentadoria do Parlamentar de Mato Grosso do Sul (FEPAMS) (O Estado, 14.jul.2008).

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - VANDER LOUBET

Do Transparência Brasil


Vander Loubet (PT-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Vander Luiz dos Santos Loubet

CPF: 322.477.531-91

Cargo anterior:
Deputado federal (PT-MS)

Cargos relevantes: Chefe de Gabinete da Assembléia Legislativa do Mato Grosso do Sul (1990-1998). Secretário de Estado do Governo do Mato Grosso do Sul (1999-2000). Secretário estadual de Infra-Estrutura e Habitação (2000-2001).

Outros dados relevantes: Bancário e funcionário público. É sobrinho do Zeca do PT, ex-governador do Mato Grosso do Sul. Foi candidato à Prefeitura de Campo Grande nas eleições de 2004.

Histórico de filiações partidárias: PT, 1984-.

e-mail: dep.vanderloubet@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 118.529

Eleito(a) pelo PT.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande - Ação Popular Nº001.04.008338-2 - Condenado em primeira instância a ressarcir aos cofres públicos estaduais o prejuízo decorrente de contrato de transferência de concessão do Porto Murtinho firmado entre o governo estadual e o consórcio Comport. A sentença também determinou a anulação do contrato. Foi protocolada apelação à decisão.

TJ-MS Agravo Nº2008.027547-4 - Referente a improbidade administrativa (TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande - Ação Civil Pública Nº001.06.049707-7) que tramita em primeira instância, relacionada ao contrato de concessão do Porto Murtinho ao consórcio Comport.

Deu no Jornal

É investigado pela Polícia Federal por suposto envolvimento em desvios de recursos públicos por meio de contratos de publicidade firmados pelo governo do Mato Grosso do Sul (Correio do Estado, 15.jan.2008).

Anotações de livro-caixa apreendido em investigação de suposto caixa dois do governo de Zeca do PT no Estado sugerem que o deputado teria recebido dinheiro do esquema (Diário de Cuiabá, 04.nov.2007; Folha de S. Paulo, 09.nov.2007).

Foi condenado em ação popular como um dos responsáveis por contrato firmado entre o governo estadual e um consórcio integrado por empresas pertencentes a sua família, durante sua gestão como secretário de Infra-Estrutura e Habitação. O contrato transferia a administração do terminal hidroviário Porto Murtinho a esse consórcio. A sentença judicial determinou a anulação do contrato e o ressarcimento do prejuízo causado aos cofres públicos. Enfrenta ainda uma ação civil pública por improbidade administrativa relacionada ao caso (Jornal do Brasil, 9.ago.2004; Correio do Estado, 07.nov.2007; O Estado, 1.ago.2008).

VOCÊ DECIDE - NELSON TRAD

Do Transparência Brasil


Nelson Trad (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Nelson Trad

CPF: 004.167.701-34

Cargo anterior:
Deputado federal (PTB-MS)

Cargos relevantes: Secretário de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul (1980-1982). Deputado estadual (1987-1991, PTB-MS). Deputado federal por quatro legislaturas (1991-1995/1995-1999/1999-2003/2003-2007, PTB-MS).

Outros dados relevantes: Formado em direito. Procurador-Geral de Justiça do Mato Grosso do Sul (1979-1980). Presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Mato Grosso do Sul e do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação de Futebol. Pai de Nelson Trad Filho, prefeito de Campo Grande (2009-2013), e de Marquinhos Trad, deputado estadual (2007-2011).

Histórico de filiações partidárias: PDS, 1983-1987; PMDB, 2003-; PTB, 1963-1965; PTB, 1982-1983; PTB, 1987-2003.

e-mail: dep.nelsontrad@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 63.694

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TCU Acórdão 27/2003 - Cobranças de materiais faturados e não entregues pela empresa O Bisturi - Equipamentos Médico-Hospitalares Ltda., da qual o parlmentar é representante legal, causaram dano ao antigo Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS). A empresa, na pessoa do parlamentar, seu representante legal, foi condenada ao pagamento de débito e teve as contas julgadas irregulares.

Deu no Jornal

É alvo de uma ação popular que questiona o pagamento de pensões pelo extinto Fundo Estadual de Aposentadoria do Parlamentar de Mato Grosso do Sul (Fepams) (O Estado, 14.jul.2008).

VOCÊ DECIDE - MARÇAL FILHO

Do Transparência Brasil

Marçal Filho (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Marçal Gonçalves Leite Filho

CPF: 356.400.141-72

Cargos relevantes: Vereador de Dourados (1993-1996, PMDB-MS). Deputado federal por duas legislaturas (1996, 1997-1999, PSDB-MS, 1999-2002, PMDB-MS). Suplente na legislatura 2007-2011, assumiu o mandato de deputado em julho de 2009 na vaga de Waldir Neves, que assumiu vaga de conselheiro do TCE-MS.

Outros dados relevantes: Formado em direito. Radialista, detém concessão de radiodifusão em Dourados. Foi candidato a vice-governador em 2002 pelo PMDB.

Histórico de filiações partidárias: PMDB

e-mail: dep.marcalfilho@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 56.598

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TRF-3 Seção Judiciária de Mato Grosso do Sul e São Paulo Subseção de Dourados Processo Nº200460020026394 - Réu em ação penal movida pelo Ministério Público. Crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores (Lei 9.613/98) - Crimes previstos na Legislação Extravagante - Penal e Lei 8137/90.

Deu no Jornal

De acordo com reportagem do jornal Correio do Estado, o deputado teria se utilizado de "laranjas" para obter concessão de radiodifusão em Dourados (Correio do Estado, 11.set.2006).

SIGAM O ELEGENDO