Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4

Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4
Estamos atualizando nosso cadastro de políticos que possuem sua fichinha mais suja que pau de galinheiro. Também disponibilizaremos a lista de quem falta mais às sessões e comissões, uso de verbas indenizatórias, doações e patrimônio dos políticos. Aguardem.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

VOCÊ DECIDE - SENADOR MARCONI PERILLO

Do Transparência Brasil

Marconi Perillo (PSDB-GO)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Marconi Ferreira Perillo Júnior

CPF: 035.538.218-09

Período: 2007-2015

Cargo anterior:
Governador (PSDB-GO)

Cargos relevantes: Assessor especial do governador Henrique Santillo (1986-1989). Deputado estadual (1991-1995, PMDB-GO). Deputado federal (1995-1998, PP-GO). Governador por dois mandatos (1999-2002/2003-2006, PSDB-GO).

Outros dados relevantes: Foi presidente nacional da juventude do PMDB (1989-1991). É proprietário rural.

Histórico de filiações partidárias: PMDB, PST, PP, PPB e PSDB.

e-mail: marconi.perillo@senador.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 2.035.564

Eleito(a) pelo PSDB.


STF Inquérito Nº2504/2007 - Irregularidade em licitação pública.

STF Inquérito Nº2481/2007 - Crime contra a administração pública - corrupção ativa e passiva.

TRE-GO Representação Nº1434/2006 - Irregularidades em captação e gastos de recursos de campanha.

TRE-GO Representação Nº1298/2006 - Movida pelo Ministério Público Eleitoral, com base na acusação de conduta vedada a agente público, por meio do uso de servidores públicos da Secretaria Estadual de Educação em campanha eleitoral; tramita em conjunto com a Representação Nº1267/2006.

Deu no jornal

Responde a quatro inquéritos no Supremo Tribunal Federal por supostos crimes cometidos no período em que foi governador de Goiás (O Globo, 02.jul.2009).

Em um dos inquéritos a que responde no STF, é acusado de haver participado de um esquema de corrupção no governo de Goiás, em que empreiteiras pagavam propina para a liberação de créditos com o estado (Folha de S. Paulo, 16.fev.2009).

Foi denunciado pelo procurador-geral da República pelo uso de avião do estado de Goiás durante campanha eleitoral (O Estado de S. Paulo, 8.fev.2009).

O Ministério Público Eleitoral de Goiás pede a cassação de seu diploma por captação e gastos financeiros irregulares na campanha de 2006 (O Globo, 22.dez.2006).

Quando governador, teria alterado valores de contratos com a agência de publicidade SMPB, da qual Marcus Valério foi sócio, numa ação apontada como irregular pela Procuradoria do estado (Folha de S. Paulo, 21.out.2005).

A Justiça Federal concedeu liminar, a pedido do Ministério Público Federal, e impediu que o senador e sua mulher continuassem a ter professores e uma turma exclusiva no curso de direito das Faculdades Alves Faria em Goiânia (Jornal de Brasilia, 05.dez.2007).

A Polícia Federal obteve gravações telefônicas nas quais supostamente teria tentado influenciar uma desembargadora em decisão sobre processo envolvendo a prefeitura de Itumbiara (O Popular, 21.mai.2008).


Nenhum comentário:

SIGAM O ELEGENDO