Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4

Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4
Estamos atualizando nosso cadastro de políticos que possuem sua fichinha mais suja que pau de galinheiro. Também disponibilizaremos a lista de quem falta mais às sessões e comissões, uso de verbas indenizatórias, doações e patrimônio dos políticos. Aguardem.

sábado, 31 de outubro de 2009

US $400.000,00 POR CERCA DE 120 SEGUNDOS - A CENA MAIS CARA DA HISTÓRIA?

PRECONCEITO E FALTA DE RESPEITO EM UNIVERSIDADE PAULISTA

Existem coisas que a gente acha que nunca mais veria dentro de uma universidade, local que deveria ser frequentado por pessoas um pouco mais instruídas que a maioria da população brasileira, mas o que vimos alguns dias atrás foi que aquele lugar nada mais é que um antro de preconceito, molecagem e total falta de respeito por parte de seus alunos.

O vídeo mostrando uma aluna sendo humilhada por causa de uma roupa que nem chama tanta atenção, nos mostra o nível dos universitários que estão sendo formados em nosso país.

Um país que não sabe ler, escrever e principalmente não sabe votar.

Os vídeos que rolam na internet nada mais são que a prova que temos que reformular nosso sistema de ensino.

Aquilo não é uma universidade, é um zoológico.

UMA BELA IMAGEM!


Do G1

Foto: AFP
Menina participa de ato de apoio ao presidente de Honduras, Manuel Zelaya, nesta sexta-feira (30), em frente ao prédio do Congresso, em Tegucigalpa. (Foto: AFP)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

VENEZUELA NO MERCOSUL, SERÁ QUE VAI?

A Comissão de Relações Exteriores aprovou por 12 votos a 5 o ingresso da Venezuela no Mercosul. O parecer da comissão vai agora ser votado pelo plenário.

Existem opiniões contra e a favor da entrada da Venezuela, escolhi dois textos que são bem claros, cada um com sua opinião.

O primeiro é do Blog do Anselmo cujo título é: "Até oposição a Chaves quer Venezuela no Mercosul"

Até Ledezma, oposição a Chavez, quer Venezuela no Mercosul;

Só os tucanos não querem: eles jogam contra o Brasil?

Estive na Venezuela duas vezes, nos últimos 3 anos.

No fim de 2007, acompanhei como jornalista o referendo em que Chavez tentou aprovar uma ampla reforma constitucional: ele queria incluir o tema do socialismo na Constituição venezuelana. Perdeu. E aceitou o resultado.

Depois do referendo, passei mais uma semana em Caracas, produzindo reportagens especiais para a TV Record, ao lado do cinegrafista Josias Erdei. Numa delas, mostramos o funcionamento da rede Mercal. Trata-se de uma enorme rede de mercados estatais, que vende produtos a preço subsidiado.

O maior Mercal de Caracas fica dentro do "Forte Tiúna" - local do comando do Exército venezuelano. Lá, vimos a movimentação impressionante de caraquenhos à espera da hora certa para levar sua cesta de produtos.

Duas coisas me chamaram atenção:

1) não havia tumulto, apesar da fila gigantesca; várias pessoas me disseram - "para que os pobres possam comprar mais barato, é preciso ter paciência, porque há muitos pobres em Caracas"; ou seja, a fila era vista como uma contingência;

2) a maior parte dos produtos à venda era de origem brasileira; mostramos isso na reportagem - carne, frango, grãos... tudo importado do Brasil.

Na época, fiquei imaginando quanto os empresários brasileiros estavam ganhando na Venezuela.

E esse é o ponto que me interessa aqui. As empresas brasileiras (de alimentos, mas também as construtoras, nas obras públicas) ganham dinheiro a rodo na Venezuela. Parte da imprensa brasileira grita contra a Venezuela, mas o país de Chavez é um bom parceiro comercial para o Brasil.

Do ponto de vista estratégico, parece-me absurda a tática da oposiçao brasileira, que tenta vetar a adesão da Venezuela ao Mercosul. Tasso Jereisatti (PSDB-CE) apresentou parecer na Comissão de Relações Exteriores do Senado, vetando a entrada. O parecer ainda vai a voto. A oposição acha que - se impedir a entrada da Venezuela - estará impondo uma derrota a Lula. Pensamento torto. Burro.

Até a oposição a Chavez, na Venezuela, quer o país no Mercosul.

Antonio Ledezma é um opositor ferrenho de Chavez. Ganhou recentemente a eleição para governar Caracas; seria o equivalente ao cargo de governador da região metroplitana, porque lá existem vários municípios na capital, cada um com seu "prefeito"; acima deles, há o "governador". Ledezma ocupa esse cargo estratégico. E é da oposição.

Pois bem. Ele esteve no Brasil esta semana, visitou vários jornais (claro, os jornais brasileiros são grandes parceiros da oposição venezuelana) e advinhem o que ele falou ao "Estadão"? Disse que o Brasil precisa apoiar a entrada da Venezuela no Mercosul. O argumento dele é muito inteligente. Confiram. A reportagem está aqui - http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,ledezma-fui-vitima-de-um-golpe-de-estado-de-chavez,447211,0.htm .

Ou seja: a oposição brasileira é tão mesquinha, tão equivocada, que nesse ponto até a oposição venezuelana é mais avançada.

Venezuela (com Chavez ou sem Chavez) no Mercosul significa Mercosul mais forte.

Mercosul mais forte signifca América do Sul mais estável, e significa Brasil mais forte.

Mas a oposição brasileira não quer Brasil mais forte. Parece mais ocupada em ser despachante de luxo para interesses de empresas petroleiras dos EUA (empresas que estão de olho no pré-sal).

Essa oposição brasileira é fraquinha demais. Até o Ledezma, lá da Venezuela, já percebeu.


O segundo texto é do Blog do Reinaldo Azevedo, cujo título é: "Venezuela no Mercosul - O protocolo e a pilantragem".

Pois é, não é? Sou mesmo um chato. A canalha sai gritando que houve um golpe em Honduras, lá vou ler a Constituição de Honduras para constatar o óbvio - para quem a lê? Não foi o golpe. A mesma canalha sai afirmando que Daniel Ortega não está tentando dar um golpe institucional na Nicarágua, lá vou eu ler a Constituição da Nicarágua para constatar: sim, o Orelhudo molestador de enteadas está tentando dar um golpe em seu país. Agora, gente como Romero Jucá, a serviço do lulo-petralhismo, diz que a adesão da Venezuela não viola os princípios do Mercosul, e este escriba, em vez de ficar no debate-boca - “uns dizem que sim, outros que não”, faz o quê? Ora, vai ver o protocolo do Mercosul que trata do assunto. Há documentos a respeito.

Tenho uma relação de absoluta honestidade com os meus leitores. Sempre informo os meus critérios e os dados com os quais estou operando. Se trato de questões lógicas, advirto: “A lógica diz…” Se estou operando com matéria de crença ou de convicção moral, também alerto: “Acho que…” E deixo sempre muito claro quando estou me atendo à letra da lei, como nesse caso.

Digamos que alguns considerem a ditadura venezuelana uma coisa boa - é o caso de Lula, por exemplo. Ele gosta tanto, que já chamou o regime de “democracia até demais”. Pois bem. Neste texto, serei apenas o legalista, vou me ater à letra do Protocolo de Ushuaia, incorporado ao Protocolo de Assunção - fundador do Mercosul - que trata da questão democrática. Não há ali espaço para ambigüidade. Diz o tal protocolo:

A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Partes do MERCOSUL, assim como a República da Bolívia e a República de Chile, doravante denominados Estados Partes do presente Protocolo,

REAFIRMANDO os princípios e objetivos do Tratado de Assunção e seus Protocolos, assim como os dos Acordos de Integração celebrados entre o MERCOSUL e a República da Bolívia e entre o MERCOSUL e a República do Chile,

REITERANDO o que expressa a Declaração Presidencial de las Leñas, de 27 de junho de 1992, no sentido de que a plena vigência das instituições democráticas é condição indispensável para a existência e o desenvolvimento do MERCOSUL.

RATIFICANDO a Declaração Presidencial sobre Compromisso Democrático no MERCOSUL e o Protocolo de Adesão àquela Declaração por parte da República da Bolívia e da República do Chile,

ACORDAM O SEGUINTE:
ARTIGO 1
A plena vigência das instituições democráticas é condição essencial para o desenvolvimento dos processos de integração entre os Estados Partes do presente Protocolo.
ARTIGO 2
O presente Protocolo se aplicará às relações que decorram dos respectivos Acordos de Integração vigentes entre os Estados Partes do presente protocolo, no caso de ruptura da ordem democrática em algum deles.
ARTIGO 3
Toda ruptura da ordem democrática em um dos Estados Partes do presente Protocolo implicará a aplicação dos procedimentos previstos nos artigos seguintes.
ARTIGO 4
No caso de ruptura da ordem democrática em um Estado Parte do presente Protocolo, os demais Estados Partes promoverão as consultas pertinentes entre si e com o Estado afetado.
ARTIGO 5
Quando as consultas mencionadas no artigo anterior resultarem infrutíferas, os demais Estados Partes do presente Protocolo, no âmbito específico dos Acordos de Integração vigentes entre eles, considerarão a natureza e o alcance das medidas a serem aplicadas, levando em conta a gravidade da situação existente.
Tais medidas compreenderão desde a suspensão do direito de participar nos diferentes órgãos dos respectivos processos de integração até a suspensão dos direitos e obrigacões resultantes destes processos.

Voltei
A Venezuela, com suas reiteradas agressões aos direitos individuais, à liberdade de imprensa e à ordem democrática, não poderia pertencer ao Mercosul, é óbvio. Aliás, segundo o que vai acima, se pertencesse, seria o caso de considerar a sua expulsão. É o que está no protocolo. Não é assim porque eu quero.

O governo Lula tem a maioria na Comissão do Senado? Tem. O Parlamento brasileiro tem vocação para a independência, uma condição republicana? Não! Tem vocação, com raras exceções, para a subserviência. Assim, vai-se jogar fora a letra do tratado e se vai votar favoravelmente ao ingresso de uma quase ditadura no bloco. A desculpa é boa: isolada, a Venezuela poderia ser pior. As ditaduras, agora, já sabem que o que as fará paparicadas pelas democracia é justamente o regime de exceção.

Seria coisa de asnos não fosse coisa de pilantras. Em alguns casos, é a pilantragem ideológica das esquerdas. Em outros, é a pilantragem sem adjetivos mesmo, que será sempre subserviente ao Executivo porque isso, afinal de contas, é bastante lucrativo.



Leiam, tirem suas conclusões, pesquisem mais e formem suas opiniões.

Nosso país está como está, devido ao fato de não escolhermos corretamente nossos representantes, erro que cometemos há muitos anos. Hoje temos informação mais fácil, variedade de opiniões, infelizmente nem todos tem acesso às novas tecnologias da informação, mas nós, temos a obrigação repassar informações a todos.

DILMA REBATE DECISÃO DOS GOLPISTAS HONDURENHOS DE SE QUEIXAR CONTRA O BRASIL EM HAIA


Do Blog do Anselmo Raposo

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, rebateu a decisão do governo golpista de Honduras de ingressar com uma queixa contra o Brasil no Tribunal de Haia. O governo interino hondurenho alega intervenção do governo brasileiro em assuntos internos do país, segundo a agência de notícias BBC Brasil.

Ainda conforme a BBC, o governo golpista teria pedido uma indenização ao Brasil "por danos causados" pelo fato de oferecer abrigo ao presidente deposto, Manuel Zelaya, desde o dia 21 de setembro, na embaixada brasileira em Tegucigalpa, a capital hondurenha.

Para Dilma, o governo de Roberto Michelleti é que deve explicações à comunidade internacional. “O Brasil não está interferindo em nada. O Brasil simplesmente acompanha esse assunto de forma a ter uma posição que representa o que é a nossa convicção de direito humanos, direito internacional e respeito mínimo ao que é estipulado sobre direito de abrigo”, disse a ministra.

Dilma comentou o assunto na noite de ontem (28), ao chegar para jantar com a bancada do PP na casa do líder do partido, deputado Mário Negromonte (BA).

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

INTEGRANTE DO PÂNICO É DETIDO COM COCAÍNA



O integrante do programa “Pânico na TV” X#$$%$#, exibido pela Rede TV!, foi detido na manhã desta quarta-feira com um pino de cocaína na zona norte de São Paulo.

Por volta das 7h, policiais militares receberam um denúncia anônima de que dois homens estariam armados na rua Capela da Lagoa, no Parque Panamericano. Durante a revista policial foi encontrado o entorpecente no bolso do dito cujo. Segundo a PM, ele resistiu à abordagem policial.

O integrante do programa humorístico foi encaminhado ao 74º DP, na Parada de Taipas, para a elaboração de um TC (Termo Circunstanciado), já que a quantidade apreendida o classifica como usuário.

A reportagem entrou em contato com a produção do programa que disse não ter conhecimento do ocorrido.

KKKKKKKKk advinha quem era…


Ronaldo!

OLHA O NÍVEL DA DECLARAÇÃO DESTA BESTA

Qual será a desculpa que será dado pelo Sr. Requião, sobre esta sandice dita de forma tão irresponsável

terça-feira, 27 de outubro de 2009

VOCÊ DECIDE - SERYS SLHESSARENKO

Do Transparência Brasil

Serys Slhessarenko (PT-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Serys Marly Slhessarenko

CPF: 437.907.207-04

Período: 2003-2011

Cargo anterior:
Deputada estadual (PT-MT)

Cargos relevantes: Secretária municipal de Educação de Cuiabá (1986-1987). Secretária estadual de Educação (1987-1988). Deputada estadual por três legislaturas (1991-1995/1995-1999/1999-2003, PT-MT).

Outros dados relevantes: Formada em pedagogia e direito. Foi candidata a governadora em 2006 pelo PT.

Histórico de filiações partidárias: PT.

e-mail: serys@senadora.gov.br

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

O Ministério Público do Mato Grosso do Sul, que investiga desvios de recursos no governo de Zeca do PT, encaminhou à Procuradoria Geral da República suspeita de que a senadora Serys Slhessarenko teria recebido parte desse dinheiro em financiamento à sua campanha ao governo do Mato Grosso (O Estado de S. Paulo, 10.nov.2007).

Teria sido beneficiado por atos secretos editados pelo Senado entre 1995 e 2009 (O Estado de S. Paulo, 23.jun.2009).

O relatório da CPMI dos Sanguessugas dá conta de que existem indícios do envolvimento deste parlamentar com as irregularidades investigadas no âmbito do escândalo da Máfia das Ambulâncias (O Estado de S.Paulo, 10.ago.2006, Folha de S. Paulo, 11.ago.2006, Gazeta (AC) - Folhapress, 11.ago.2006).

Leia aqui o relatório parcial da CPMI dos Sanguessugas e seus anexos.

VOCÊ DECIDE - OSVALDO SOBRINHO

Do Transparência Brasil

Osvaldo Sobrinho (PTB-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Osvaldo Roberto Sobrinho

CPF: 048.234.861-53

Período: 2007-2015

Cargos relevantes: Deputado federal (1987-1991, PMDB-MT). Vice-governador e secretário de Educação do Mato-Grosso (1991-1994). Exerceu o mandato de deputado federal como suplente na legislatura 1999-2003 pelo PTB em 1999, 2000 e 2001. Secretário de governo da prefetura de Cuiabá (2009). Suplente na legislatura 2007-2015, assumiu o mandato de senador pelo PTB em setembro de 2009 na vaga de Jayme Campos, que está licenciado.

Outros dados relevantes: Formado em economia, estudos sociais e direito. É professor. Detém concessão de radiodifusão em Cuiabá e Guarantá do Norte (MT).

Histórico de filiações partidárias: ARENA, PP, PMDB, PTB, PSDB e PTB.

e-mail: osvaldo.sobrinho@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PTB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TCU Acórdão Nº1056/2005 - Julgadas irregulares as contas da secretaria de Educação do Mato Grosso. Multado em R$ 40.000,00.

TJ-MT Comarca de Cuiabá Vara Especial de Ação Civil Pública e Ação Popular - É processado em ação civil pública de improbidade administrativa Nº333/2008 movida pelo Ministério Público.

Deu no Jornal

Foi condenado pelo Tribunal de Contas da União por irregularidades no uso de recursos repassados pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, quando exercia o cargo de secretário de Educação do Mato Grosso (A Gazeta, 30.ago.2005).

VOCÊ DECIDE - GILBERTO GOELLNER

Do Transparência Brasil

Gilberto Goellner (DEM-MT)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Gilberto Flávio Goellner

CPF: 090.388.840-87

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Suplente, assumiu o mandato na legislatura 2003-2011 na vaga do senador Jonas Pinheiro, morto em fevereiro de 2008.

Outros dados relevantes: Formado em agronomia. Proprietário rural, é produtor de soja e algodão. Foi diretor e vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Sementes (ABRASEM) (1986-1998). Fundador e primeiro presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (ABRASOJA) (1990-1992).

Histórico de filiações partidárias: PPS, PFL e DEM.

e-mail: gilberto.goellner@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PPS.


Deu no Jornal

Ocupando o apartamento funcional cedido pelo senado recebeu o auxílio-moradia, e terá que ressarcir a quantia correspondente aos cofres públicos (Correio Braziliense, 29.mai.2009)

VOCÊ DECIDE - THELMA DE OLIVEIRA

Do Transparência Brasil

Thelma de Oliveira (PSDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Thelma Pimentel Figueiredo de Oliveira

CPF: 171.785.171-15

Cargo anterior:
Deputada federal (PSDB-MT)

Cargos relevantes: Presidente da Fundação de Promoção Social de Mato Grosso (Prosol) (1995-2002).

Outros dados relevantes: Formada em enfermagem. Viúva do ex-governador do Mato Grosso Dante de Oliveira, morto em julho de 2006.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1989-1997; PMDB, 1984-1989; PSDB, 1997-2002; MDB, 1978-1984.

e-mail: dep.thelmadeoliveira@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 76.770

Eleito(a) pelo PSDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TJ-MT Comarca de Cuiabá - É processada pelo Ministério Público por improbidade administrativa na ação Nº290/2008 da vara especial de ação civil pública e ação popular, comarca cível de Cuiabá.

VOCÊ DECIDE - PROFESSOR VICTORIO GALLI

Do Transparência Brasil

Professor Victorio Galli (PMDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Victorio Galli Filho

CPF: 257.557.731-49

Cargos relevantes: Suplente na legislatura 2007-2011, assumiu o mandato de deputado federal pelo PMDB licenciado Carlos Bezerra entre outubro de 2007 e janeiro de 2008. Reassumiu o mandato em julho de 2009 na vaga de Wellington Fagundes

Outros dados relevantes: Formado em pedagogia. É professor de teologia e membro da igreja Assembléia de Deus.

e-mail: dep.professorvictoriogalli@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 22.981

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

VOCÊ DECIDE - PEDRO HENRY

Do Transparência Brasil

Pedro Henry (PP-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Pedro Henry Neto

CPF: 175.068.671-68

Cargo anterior:
Deputado federal (PPB-MT)

Cargos relevantes: Vice-prefeito de Cáceres (1992-1996, PPS-MT). Deputado federal por três legislaturas (1996-1999, PDT-MT; 1999-2003, PSDB-MT; 2003-2007, PPB-MT).

Outros dados relevantes: Formado em medicina. Foi médico legista da Secretaria de Segurança Pública do Mato Grosso (1984-1996) e da Secretaria de Justiça do Estado de Mato Grosso, Delegacia Regional de Polícia de Cáceres (1985-). É irmão de Ricardo Henry, prefeito reeleito de Cáceres.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1993-1995; PP, 2003-; PPB, 2001-2003; PPS, 1991-1993; PSDB, 1995-2001.

e-mail: dep.pedrohenry@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 73.312

Eleito(a) pelo PP.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Ação Penal Nº470/2007 - É o processo do caso do Mensalão. Henry responde por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

TRF-1 Seção Judiciária de Brasília Improbidade Administrativa Nº2007.34.00.029882-3 - É processado em ação civil movida pelo Ministério Público, referente ao caso do Mensalão.

TRF 5ª Região Agravo de Instrumento Nº2008.01.00.042313-4 - É agravado em processo referente à Ação Civil Pública Nº2006.36.00.013541-6, processo por improbidade administrativa, relacionado ao escândalo dos sanguessugas, que tramita em primeira instância na 5ª Vara Federal do Mato Grosso.

TSE Recurso Contra Expedição de Diploma Nº668/2007 - Compra de votos e uso da máquina; processo oriundo do TRE-MT (Recurso Contra Expedição de Diploma Nº52/2006).

TRE-MT Representação Nº796/2006 - Teve o diploma cassado e foi multado em 15 mil UFIRs por captação ilícita de sufrágio. O parlamentar recorre da decisão (TSE Recurso Ordinário Nº1533/2008).

Deu no Jornal

É um dos 37 réus no processo relacionado ao caso do Mensalão. Denunciado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o deputado é acusado de, em contrapartida a dinheiro recebido, garantir apoio parlamentar ao governo federal. Segundo a denúncia da PGR, o grupo formado por Henry e outros deputados do PP recebeu R$ 4,1 milhões. O deputado foi também denunciado pelo Ministério Público Federal por improbidade administrativa. A primeira denúncia envolvendo Henry no esquema partiu de Roberto Jefferson. Foi absolvido na Câmara quando foi votado seu processo de cassação (O Estado de S. Paulo, 12.abr.2006; Folha de S. Paulo, 16.mar.2006; Diário de Cuiabá, 21.ago.2007; A Gazeta, 28.ago.2007).

Em depoimento à Justiça Federal, o empresário Luiz Antônio Vedoin, da Planam, disse ter dado ao deputado em 2002 uma Blazer 0 km, além de R$ 140 mil em propina. Segundo Vedoin, era o próprio Henry quem negociava as licitações com os prefeitos. A camionete não foi incluída pelo deputado em sua declaração de bens; ele afirma que, entre 2005 e 2006, vendeu o veículo e restituiu à Planam o valor correspondente. O deputado também foi flagrado pelas escutas telefônicas da Polícia Federal sobre o caso, tentando agilizar o andamento de uma emenda no ministério. Henry responde a processo de improbidade administrativa na Justiça Federal do Mato Grosso (Estado de Minas, 28.jul.2006; Folha de S. Paulo, 30.jul.2006; O Estado de S. Paulo, 9.ago.2006; O Globo, 11.ago.2006; A Gazeta, 26.ago.2007).

Teve o mandato cassado pelo Justiça Eleitoral por compra de votos e gastos de campanha ilícitos. O deputado permanece no exercíco do mandato parlamentar em função de liminar concedida pelo TSE, enquanto aguarda a análise de recurso contra a decisão (O Globo, 24.nov.2007; A Gazeta, 20.dez.2007; Diário de Cuiabá, 28.fev.2008).

O Ministério Público Federal interpôs ação acusando a família Henry de monopolizar meios de comunicação no município de Cáceres. De acordo com os autos, a família detém a TV Pantanal, a TV Descalvados e a Rádio Clube de Cáceres. O MPF afirma ainda que "laranjas" teriam sido usados como sócios para encobertar o monopólio e garantir a neutralização de adversários políticos da família. A programação ficará suspensa até o julgamento da ação (Diário de Cuiabá, 4.out.2008).

VOCÊ DECIDE - HOMERO PEREIRA

Do Transparência Brasil


Homero Pereira (PR-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Homero Alves Pereira

CPF: 726.065.098-20

Cargos relevantes: Deputado estadual (1993-1994, PDC-MT). Superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (CANAB) de Cuiabá (1995-1996). Superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Mato Grosso (1996-2002). Secretário estadual de Desenvolvimento Rural (2003-2005).

Outros dados relevantes: Formado em economia. Foi membro da executiva estadual do PPS de Mato Grosso. Proprietário rural, foi vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado do Mato Grosso (FAMATO) (1991-2004) e é vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) desde 2004.

Histórico de filiações partidárias: PR, 2007-; PDC, 1990-1994; PPB, 1994-; PPS, 2001-2007.

e-mail: dep.homeropereira@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 100.114

Eleito(a) pelo PPS.


Deu no Jornal

Informações divulgadas em vídeos dão conta de quee teria sido negociado o apoio de candidatos a vereador pelo PRTB em Cuiabá à candidatura de Mauro Mendes (PR) à prefeitura. Homero Pereira teria participado dessas negociações. O Ministério Público deve iniciar investigação sobre o caso (Revista Época, 17.out.2008; A Gazeta, 18.out.2008, 23.out.2008).

Responde a ação por abuso de poder político na campanha de 2006. O coordenador de sua campanha foi flagrado fazendo propaganda com um carro da Empresa Matogrossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) (A Gazeta, 26.set.2007).

VOCÊ DECIDE - ELIENE LIMA

Do Transparência Brasil

Eliene Lima (PP-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Eliene Jose de Lima

CPF: 288.859.706-30

Cargo anterior:
Deputado estadual (PSB-MT)

Cargos relevantes: Vereador de Cuiabá (1993-1994, PDT-MT). Deputado estadual por três legislaturas (1995-1999/1999-2003/2003-2007, PSB-MT).

Outros dados relevantes: Formado em engenharia. Presidente do diretório municipal do PSB de Cuiabá (2000-2004).

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1991-1993; PP, 2005-; PSB, 1993-2005.

e-mail: dep.elienelima@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 65.855

Eleito(a) pelo PP.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Inquérito Nº2737/2008 - Tráfico de influência.

STF Inquérito Nº2678/2008 - Captação ilícita de votos.

STF Inquérito Nº2667/2007 - Uso de documento falso.

STF Inquérito Nº2599/2007 - Crime eleitoral; alistamento de eleitor.

STF Inquérito Nº 2772/2008 - Indicado por crime contra a ordem tributária. Corre sob segredo de justiça.

Deu no Jornal

É investigado no STF por tráfico de influência. O deputado teria integrado esquema de intervenção no Detran/MT para a anulação de multas de trânsito (O Popular, 10.jul.2008; A Gazeta, 1.set.2008).

O Ministério Público Eleitoral pediu a cassação de seu diploma no TSE por compra de votos; o deputado teria distribuído vales-combustível a eleitores (Diário de Cuiabá, 19.abr.2007).

VOCÊ DECIDE - CARLOS BEZERRA

Do Transparência Brasil

Carlos Bezerra (PMDB-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Carlos Gomes Bezerra

CPF: 008.349.391-34

Cargos relevantes: Deputado estadual (1975-1979, MDB-MT). Prefeito de Rondonópolis por dois mandatos (1983-1986/1993-1994, PMDB-MT). Deputado federal (1979-1983, PMDB-MT). Governador (1987-1990, PMDB-MT). Senador (1995-2003, PMDB-MT). Foi presidente do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) (2004-2005).

Outros dados relevantes: Formado em direito e ciências sociais. Foi fundador da Associação Cuiabana de Estudantes Secudaristas (ACES) (1960). Foi fundador do MDB de Mato Grosso (1966). Marido de Teté Bezerra, ex-deputada federal.

Histórico de filiações partidárias: PMDB, 1980-; PTB, 1960-1964; MDB, 1966-1980.

e-mail: dep.carlosbezerra@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 75.365

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Inquérito Nº2755/2008 - Peculato, corrupção ativa e passiva.

STF Inquérito Nº2500/2007 - Crime contra a administração pública (peculato).

TRF 1ª Região Agravo de Instrumento Nº2007.01.00.048098-0 - Negado. Referente a ação civil pública (TRF 1ª Região 3ª Vara Federal do Mato Grosso - Processo Nº2007.36.00.013577-0) por improbidade administrativa que tramita em primeira instância, relacionada ao caso da máfia dos Sanguessugas.

TCU Acórdão Nº1829/2004 - Irregularidade na licitação da Dataprev para alugar equipamentos de informática quando era presidente do INSS.

TCU Acórdão Nº1109/2006 - Favorecimento do banco BMG no programa de oferecimento de crédito consignado aos aposentados do INSS; multado em R$ 15.000,00.

TCU Acórdão Nº994/2006 - Contratação da Fundação Universidade de Brasília (FUB) para serviço de endomarketing sem licitação; justificativa recusada. O contrato, celebrado pessoalmente por Bezerra e pelo reitor da UNB, Lauro Morhy, foi rescindido amigavelmente. O TCU, no entanto, multou Bezerra em R$ 15.000,00.

Deu no Jornal

Teria sido denunciado ao STF por envolvimento com a máfia dos sanguessugas, sob as acusações de formação de quadrilha, crimes contra a paz pública, corrupção passiva e crimes contra a administração pública. O deputado também enfrenta ação civil por improbidade administrativa na Justiça Federal (A Gazeta, 20.jan.2007; Correio Braziliense, 1.out.2007).

Por ter sido senador na legislatura 1995-2002 recebeu do Senado reembolso por despesas médicas e odontológicas. Esse pagamento teria sido irregular pois decisão da Mesa Diretora do Senado veda o reembolso a ex-senadores que recebem benefício similar de outra fonte, como é o caso de Bezerra, que usufrui da assistência médica oferecida pela Câmara (A Gazeta, 21.mar.2009)

Teria favorecido o banco BMG na obtenção de vantagens no oferecimento de crédito consignado a aposentados do INSS, quando foi presidente do instituto. O esquema foi investigado pela CPI dos Correios. O deputado foi acusado de haver recebido propina de R$ 150 mil pelo acordo. Foi multado pelo TCU em R$ 15 mil por irregularidades no contrato com o banco (O Estado de S. Paulo, 21.set.2005; Folha do Estado, 3.mai.2006; Revista Isto É, 13.mai.2006; Folha de S. Paulo, 22.jan.2007; Jornal do Brasil, 12.set.2007).

Enquanto presidente do INSS, foi acusado de firmar contrato irregular com a Fundação Universidade de Brasília (FUB), sem licitação (O Globo, 25.abr.2005; Folha do Estado, 28.abr.2005).

Teria realizado contratos superfaturados de aluguel de computadores para as agências do INSS, quando era presidente do instituto. A Justiça Federal abriu processo criminal contra o deputado. (A Gazeta, 7.dez.2004; Folha de S. Paulo, 22.jan.2007).

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

Quando governador do Mato Grosso, nomeou sua mulher, Teté Bezerra, para a presidência da Fundação de Promoção e Assistência Social de Mato Grosso (Prosol) (A Gazeta, 19.mar.2007).

Teria protegido prefeito suspeito de crime, o Zé da Guia, através de tráfico de influência (O Globo, 26.abr.2004).

VOCÊ DECIDE - CARLOS ABICALIL

Do Transparência Brasil

Carlos Abicalil (PT-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Carlos Augusto Abicalil

CPF: 697.211.067-04

Cargo anterior:
Deputado federal (PT-MT)

Outros dados relevantes: Formado em filosofia. Professor da educação básica. Foi diretor da Escola Estadual Antônio Cristino Cortes, em Barra do Garças(1988-1991).

Histórico de filiações partidárias: PT, 1992-.

e-mail: dep.carlosabicalil@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 128.851

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - VALTER PEREIRA

Do Transparência Brasil

Valter Pereira (PMDB-MS)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Valter Pereira de Oliveira

CPF: 004.165.501-00

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Vereador de Campo Grande (1973-1975, MDB-MS). Deputado estadual por duas legislaturas (1975-1979, MDB-MS; 1983-1987, PMDB-MS). Secretário estadual de Educação (1988-1989). Deputado federal por três mandatos (1979-1982/1987-1991/1991-1995, PMDB-MS). Presidente da Empresa Energética de Mato Grosso do Sul (ENERSUL) (1995-1997).

Outros dados relevantes: Formado em direito. Suplente na legislatura 2003-2011, assumiu o mandato de senador na vaga de Ramez Tebet (PMDB-MS), morto em 2006.

Histórico de filiações partidárias: MDB e PMDB.

e-mail: valterpereira@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PMDB.


Deu no Jornal

Empregou o sobrinho em seu gabinete (O Estado, 2.nov.2008).

VOCÊ DECIDE - DELCÍDIO AMARAL

Do Transparência Brasil


Delcídio Amaral (PT-MS)
Senado Federal/BR

Nome de batismo:
Delcídio do Amaral Gomez

CPF: 011.279.828-42

Período: 2003-2011

Cargos relevantes: Diretor da Eletrosul (1991). Ministro de Minas e Energia (1994-1995). Presidente do Conselho de Administração da Companhia Vale do Rio Doce (1994). Diretor de Gás e Energia da Petrobrás (2000-2001). Secretário estadual de Infra-estrutura e Habitação (2001).

Outros dados relevantes: Formado em engenharia. Foi presidente da CPMI dos Correios (2005-2006). Concorreu ao governo de Mato Grosso do Sul em 2006.

Histórico de filiações partidárias: PSDB e PT.

e-mail: delcidio.amaral@senador.gov.br

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

Está em curso investigação no Ministério Público do Mato Grosso do Sul sobre suposto esquema de caixa dois para financiamento de campanha que envolveria o governo Zeca do PT e gráficas do estado e que teria beneficiado o senador (Folha de S. Paulo, 08.dez.2007; Diário de Cuiabá, 04.dez.2007).

Teria sido beneficiado por atos secretos editados pelo Senado entre 1995 e 2009 (O Estado de S. Paulo, 23.jun.2009).

VOCÊ DECIDE - WALDEMIR MOKA

Do Transparência Brasil


Waldemir Moka (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Waldemir Moka Miranda de Britto

CPF: 143.326.041-72

Cargo anterior:
Deputado federal (PMDB-MS)

Cargos relevantes: Vereador de Campo Grande (1982-1986). Deputado estadual por duas legislaturas (1987-1991/1991-1995, PMDB-MS). Deputado federal por dois mandatos (1999-2003/2003-2007, PMDB-MS).

Outros dados relevantes: Formado em medicina.

Histórico de filiações partidárias: PMDB, 1981-; MDB.

e-mail: dep.waldemirmoka@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 100.655

Eleito(a) pelo PMDB.


Deu no Jornal

É alvo de uma ação popular que questiona o pagamento de pensões pelo extinto Fundo Estadual de Aposentadoria do Parlamentar de Mato Grosso do Sul (FEPAMS) (O Estado, 14.jul.2008).

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - VANDER LOUBET

Do Transparência Brasil


Vander Loubet (PT-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Vander Luiz dos Santos Loubet

CPF: 322.477.531-91

Cargo anterior:
Deputado federal (PT-MS)

Cargos relevantes: Chefe de Gabinete da Assembléia Legislativa do Mato Grosso do Sul (1990-1998). Secretário de Estado do Governo do Mato Grosso do Sul (1999-2000). Secretário estadual de Infra-Estrutura e Habitação (2000-2001).

Outros dados relevantes: Bancário e funcionário público. É sobrinho do Zeca do PT, ex-governador do Mato Grosso do Sul. Foi candidato à Prefeitura de Campo Grande nas eleições de 2004.

Histórico de filiações partidárias: PT, 1984-.

e-mail: dep.vanderloubet@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 118.529

Eleito(a) pelo PT.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande - Ação Popular Nº001.04.008338-2 - Condenado em primeira instância a ressarcir aos cofres públicos estaduais o prejuízo decorrente de contrato de transferência de concessão do Porto Murtinho firmado entre o governo estadual e o consórcio Comport. A sentença também determinou a anulação do contrato. Foi protocolada apelação à decisão.

TJ-MS Agravo Nº2008.027547-4 - Referente a improbidade administrativa (TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande - Ação Civil Pública Nº001.06.049707-7) que tramita em primeira instância, relacionada ao contrato de concessão do Porto Murtinho ao consórcio Comport.

Deu no Jornal

É investigado pela Polícia Federal por suposto envolvimento em desvios de recursos públicos por meio de contratos de publicidade firmados pelo governo do Mato Grosso do Sul (Correio do Estado, 15.jan.2008).

Anotações de livro-caixa apreendido em investigação de suposto caixa dois do governo de Zeca do PT no Estado sugerem que o deputado teria recebido dinheiro do esquema (Diário de Cuiabá, 04.nov.2007; Folha de S. Paulo, 09.nov.2007).

Foi condenado em ação popular como um dos responsáveis por contrato firmado entre o governo estadual e um consórcio integrado por empresas pertencentes a sua família, durante sua gestão como secretário de Infra-Estrutura e Habitação. O contrato transferia a administração do terminal hidroviário Porto Murtinho a esse consórcio. A sentença judicial determinou a anulação do contrato e o ressarcimento do prejuízo causado aos cofres públicos. Enfrenta ainda uma ação civil pública por improbidade administrativa relacionada ao caso (Jornal do Brasil, 9.ago.2004; Correio do Estado, 07.nov.2007; O Estado, 1.ago.2008).

VOCÊ DECIDE - NELSON TRAD

Do Transparência Brasil


Nelson Trad (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Nelson Trad

CPF: 004.167.701-34

Cargo anterior:
Deputado federal (PTB-MS)

Cargos relevantes: Secretário de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul (1980-1982). Deputado estadual (1987-1991, PTB-MS). Deputado federal por quatro legislaturas (1991-1995/1995-1999/1999-2003/2003-2007, PTB-MS).

Outros dados relevantes: Formado em direito. Procurador-Geral de Justiça do Mato Grosso do Sul (1979-1980). Presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Mato Grosso do Sul e do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação de Futebol. Pai de Nelson Trad Filho, prefeito de Campo Grande (2009-2013), e de Marquinhos Trad, deputado estadual (2007-2011).

Histórico de filiações partidárias: PDS, 1983-1987; PMDB, 2003-; PTB, 1963-1965; PTB, 1982-1983; PTB, 1987-2003.

e-mail: dep.nelsontrad@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 63.694

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TCU Acórdão 27/2003 - Cobranças de materiais faturados e não entregues pela empresa O Bisturi - Equipamentos Médico-Hospitalares Ltda., da qual o parlmentar é representante legal, causaram dano ao antigo Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS). A empresa, na pessoa do parlamentar, seu representante legal, foi condenada ao pagamento de débito e teve as contas julgadas irregulares.

Deu no Jornal

É alvo de uma ação popular que questiona o pagamento de pensões pelo extinto Fundo Estadual de Aposentadoria do Parlamentar de Mato Grosso do Sul (Fepams) (O Estado, 14.jul.2008).

VOCÊ DECIDE - MARÇAL FILHO

Do Transparência Brasil

Marçal Filho (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Marçal Gonçalves Leite Filho

CPF: 356.400.141-72

Cargos relevantes: Vereador de Dourados (1993-1996, PMDB-MS). Deputado federal por duas legislaturas (1996, 1997-1999, PSDB-MS, 1999-2002, PMDB-MS). Suplente na legislatura 2007-2011, assumiu o mandato de deputado em julho de 2009 na vaga de Waldir Neves, que assumiu vaga de conselheiro do TCE-MS.

Outros dados relevantes: Formado em direito. Radialista, detém concessão de radiodifusão em Dourados. Foi candidato a vice-governador em 2002 pelo PMDB.

Histórico de filiações partidárias: PMDB

e-mail: dep.marcalfilho@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 56.598

Eleito(a) pelo PMDB.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TRF-3 Seção Judiciária de Mato Grosso do Sul e São Paulo Subseção de Dourados Processo Nº200460020026394 - Réu em ação penal movida pelo Ministério Público. Crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores (Lei 9.613/98) - Crimes previstos na Legislação Extravagante - Penal e Lei 8137/90.

Deu no Jornal

De acordo com reportagem do jornal Correio do Estado, o deputado teria se utilizado de "laranjas" para obter concessão de radiodifusão em Dourados (Correio do Estado, 11.set.2006).

VOCÊ DECIDE - GERALDO RESENDE

Do Transparência Brasil

Geraldo Resende (PMDB-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Geraldo Resende Pereira

CPF: 128.969.181-91

Cargo anterior:
Deputado federal (PPS-MS)

Cargos relevantes: Vereador de Dourados por duas legislaturas (1993-1997/1997-1998, PSDB-MS). Deputado estadual (1999-2003, PPS-MS) e secretário de Saúde do Mato Grosso do Sul (2000-2002).

Outros dados relevantes: Formado em medicina. Fundador da Unicred de Dourados.

Histórico de filiações partidárias: PMDB (1981-1988), PSDB (1989-1997), PPS (1997-2007) e PMDB (2007- )

e-mail: dep.geraldoresende@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 67.710

Eleito(a) pelo PPS.


Deu no Jornal

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

Teria usado parte da verba indenizatória, cedida pela Câmara dos Deputados, para pagar um advogado que o defendeu perante um processo de perda de mandato (Folha de S. Paulo, 28.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - DAGOBERTO

Do Transparência Brasil

Dagoberto (PDT-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Dagoberto Nogueira Filho

CPF: 002.633.828-93

Cargo anterior:
Deputado estadual (PDT-MS)

Cargos relevantes: Sub-chefe da Casa Civil, secretário de Justiça, Trabalho e Ação Social (2004) e secretário da Produção e do Turismo do estado do Mato Grosso do Sul (2006). Diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN). Procurador de Autarquia do Estado (MS).

Outros dados relevantes: Formado em direito. Foi diretor da União Nacional dos Estudantes (UNE). Proprietário rural.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1993-.

e-mail: dep.dagoberto@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 97.803

Eleito(a) pelo PDT.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

TJ-MS Apelação Cível Nº2008.038235-3 - Recorre de condenação em primeira instância (TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Colet. e Indiv. Homogêneos de Campo Grande - Processo Nº001.06.022759-2) por improbidade administrativa, em que foi sentenciado a multa civil e a ressarcir aos cofres públicos o montante gasto em contrato com a empresa AGS Segurança.

TJ-MS Apelação Cível Nº2008.013506-0 - Recorre de condenação em primeira instância (TJ-MS Vara de Direitos Difusos, Colet. e Indiv. Homogêneos de Campo Grande - Processo Nº001.06.012917-5) por improbidade administrativa, em que foi sentenciado a ressarcir aos cofres públicos o dano causado pelo uso de propaganda sobre a Lei Seca para promoção pessoal do deputado.

Deu no Jornal

Foi condenado por improbidade administrativa pela Justiça do Mato Grosso do Sul, que o considerou responsável por contrato entre a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública e a empresa AGS Segurança, por meio do qual a secretaria adquiriu um aparelho que permitia comunicação direta de alguns estabelecimentos comerciais privados com a Polícia (O Estado, 15.ago.2008).

Foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado a pagar multa de 1,8 mil Uferms e ressarcir aos cofres públicos a quantia de R$ 20,2 mil, em virtude de irregularidades na gestão do Detran-MS (O Estado, 29.out.2008).

Acusado pelo Ministério Público Estadual do Mato Grosso do Sul de uso da máquina pública para autopromoção, quando secretário de Justiça do estado e candidato à prefeitura de Campo Grande (Correio do Estado, 7.abr.2006).

Condenado a reparar os danos patrimoniais e morais causados à administração pública estadual, mediante o ressarcimento integral do prejuízo consistente nos gastos com a publicidade da chamada Lei Seca (Correio do Estado, 18.dez.2007).

Teria usado parte da cota de passagens aéreas para vôos internacionais, ou cedido a seus parentes (O Globo, 23.abr.2009).

VOCÊ DECIDE - ANTÔNIO CARLOS BIFFI

Do Transparência Brasil


Antônio Carlos Biffi (PT-MS)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Antonio Carlos Biffi

CPF: 797.963.468-34

Cargo anterior:
Deputado federal (PT-MS)

Cargos relevantes: Secretário de Administração do Estado do Mato Grosso do Sul (1999-2000). Secretário de Educação do Mato Grosso do Sul (2001-2002).

Outros dados relevantes: Professor. Formação em pedagogia. Foi presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação de Campo Grande por duas vezes (1983-1987/1990) e presidente da CUT, Campo Grande (1997-1998).

Histórico de filiações partidárias: PMDB, 1986-1987; PT, 1988-.

e-mail: dep.antoniocarlosbiffi@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 55.179

Eleito(a) pelo PT.


Deu no Jornal

A Polícia Federal investigou esquema, do qual o ex-governador Zeca do PT seria o cabeça, e que teria desviado cerca de R$ 30 milhões dos gastos com publicidade em seu segundo mandato, para pagar mensalão a políticos do estado, entre os quais o deputado. O inquérito foi encaminhado à Procuradoria Geral da República (A Gazeta, 02.nov.2007; Correio Braziliense, 30.10.2004).

CAIU

o que está acontecendo com o Twitter?

Trechos do Corão aparecem em pele de bebê russo.

TRECHOS DO ALCORÃO APARECE EM PELE DE BEBÊ RUSSO


Trechos do alcorão estão aparecendo na pele deste bebê, em breve mais informações

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

ESPOSA MAIS JOVEM E INTELIGENTE É CHAVE PARA CASAMENTO LONGO

Cientistas britânicos pesquisaram 1,5 mil casais com intervalo de cinco anos.

Da BBC

Uma pesquisa britânica afirma que o segredo para os homens terem um casamento feliz e duradouro é escolher uma esposa mais inteligente e, no mínimo, cinco anos mais jovem.

Quanto maior a escolaridade da esposa, maiores são as chances de o casamento durar

Essa combinação, segundo os pesquisadores da Universidade de Bath, é a que tem maior probabilidade de dar certo no longo prazo, especialmente se nenhum dos dois tiver sido divorciado no passado.

O trabalho foi publicado na revista "European Journal of Operational Research".

Os pesquisadores entrevistaram mais de 1,5 mil casais casados ou em relações estáveis. Após cinco anos, eles checaram quais casais ainda estavam juntos.

Fatores objetivos

Os cientistas descobriram que, em casos onde a esposa era mais velha que o marido em cinco anos ou mais, as chances de divórcio aumentaram para três vezes.

Se a diferença de idade é invertida - com o homem mais velho do que a mulher - as chances de sucesso no casamento aumentam.

Outro fator é o grau de educação da mulher. Quanto maior a escolaridade da esposa, maiores são as chances de o casamento durar, segundo a pesquisa.

Os casais em que nenhuma das pessoas foi divorciada também teriam mais chances de ficarem juntos por mais tempo. Mas casais em que apenas uma das pessoas foi divorciada são mais instáveis do que casais em que os dois já foram casados antes.

Para Emmanuel Fragniere, o pesquisador que conduziu o trabalho, homens e mulheres escolhem seus parceiros "com base no amor, atração física, semelhança de gostos, crenças e atitudes, e valores em comum", mas fatores objetivos - como idade, educação e origem cultural - também podem ajudar a diminuir os casos de divórcio.

Iniciativa | Doe mais que um clique

Aí, participem desta iniciativa, doando mais que um clique

Iniciativa | Doe mais que um clique

O BONDE DO MC BELTRAME

Do Blog do Diogo Mainardi

“Desde que Lula passou por lá para visitar as obras do PAC, o Complexo do Alemão transformou-se num território da paz, mas unicamente para os traficantes do Comando Vermelho”

Em julho, no Morro da Chatuba, ocorreu um baile funk em homenagem a FB, o chefe do tráfico de drogas no Complexo do Alemão. MC Smith cantou:

“A festa do FB / está tipo Osama bin Laden”

No domingo passado, o Morro da Chatuba assistiu a mais um baile funk. Desta vez, os homens de FB comemoraram o abatimento de um helicóptero da PM. José Mariano Beltrame, a maior autoridade policial do estado do Rio de Janeiro, comparou o abatimento do helicóptero aos atentados terroristas de Osama bin Laden, nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001. MC Beltrame, inspirado em MC Smith, já pode animar um baile funk no Morro da Chatuba.

FB está longe de ser um Osama bin Laden. Os policiais comandados por José Mariano Beltrame sempre souberam onde ele se escondia. Dez dias antes que FB ordenasse o assalto ao Morro dos Macacos, que resultou no abatimento do helicóptero da PM e na morte de mais de trinta pessoas, a deputada federal Marina Maggessi declarou o seguinte a um repórter de O Globo:

“A polícia não entra no Complexo do Alemão por causa das obras do PAC. Está todo mundo evitando tiroteio para não parar as obras do PAC. A bandidagem toda está indo para lá”.

O “bonde” de FB (tema de outro funk de MC Smith), formado por mais de 100 criminosos, confirmou a denúncia de Marina Maggessi. Na última semana, ela repetiu que as obras do PAC criaram uma zona franca para o Comando Vermelho. Revelou também que as autoridades policiais foram alertadas sobre os planos de FB algumas horas antes de ele atacar o Morro dos Macacos. O que aconteceu depois disso? As delegacias da região foram impedidas de agir.

Em 4 de dezembro de 2008, Lula visitou as obras do PAC no Complexo do Alemão. Na mesma solenidade, que contou com um espetáculo do grupo AfroReggae, ele atacou o governo anterior e prometeu fazer “uma revolução para resolver o problema da segurança pública”, transformando a área num “Território da Paz”.

Quase um ano depois, já dá para analisar alguns dos resultados dessa revolução. Primeiro: Lula continuou a visitar obras do PAC e a atacar o governo anterior. Segundo: poucos dias atrás, um dos integrantes do AfroReggae foi morto a tiros e a PM soltou seus assassinos. Terceiro: sim, o Complexo do Alemão transformou-se num território da paz, mas unicamente para os traficantes do Comando Vermelho. De fato, desde que Lula passou por lá para visitar as obras do PAC, a polícia nunca mais realizou uma operação contra seus criminosos. A última delas ocorreu em outubro de 2008. Nesse período, FB aumentou seu arsenal e reuniu suas tropas. Como diz o funk de DJ Will, ecoado por MC Beltrame:

“A PM aqui não entra / Aqui só tem talibã / Terrorista da Al Qaeda”

Por Diogo Mainardi

RELAXA E GOZA

PEIDEI - Mas não fui eu!

FLAMENGO 1 X 0 BOTAFOGO


Esse não é mais nem freguês, agora já é cliente vip

FICHAS SUJAS

Vejam ao lado se seu representante é um ficha suja, ou se já saiu algo sobre ele na imprensa, não se deixe enganar, leia, pesquise e faça valer o seu voto.

sábado, 17 de outubro de 2009

FOI EM 9 DE OUTUBRO DO ANO PASSADO

Agenda da ex-secretária da Receita Federal registra o dia em que ela se reuniu com Dilma para tratar de uma investigação contra a família Sarney

Alexandre Oltramari, de Natal

Fotos Wilson Pedrosa/AE e Joedson Alves/Folha Imagem
HISTÓRIAS DIFERENTES
Lina Vieira anotou em sua agenda pessoal a data e o assunto da reunião no Palácio do Planalto, que a ministra Dilma Rousseff (à dir.) nega ter existido


Em agosto passado, primeiro numa entrevista e depois em depoimento no Congresso, a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira acusou a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, de tê-la convocado para uma reunião no Palácio do Planalto. Na conversa, a ministra teria pedido que Lina interferisse no andamento de uma investigação tributária que incomodava a família do presidente do Senado, José Sarney. Se comprovado, o encontro criaria sérios constrangimentos legais à ministra, pré-candidata do PT à Presidência da República. Dilma, porém, sempre negou com veemência a existência da reunião. A ex-secretária, por sua vez, nunca apresentou provas convincentes, além do próprio testemunho, de que a conversa realmente existira. O dia? Lina não se lembrava. O mês? Lina dizia que fora próximo ao fim de 2008, talvez em dezembro. Quando questionada sobre a imprecisão, justificava afirmando que todos os detalhes estavam registrados em sua agenda pessoal. E a agenda? Perdida em meio a uma infinidade de documentos empilhados quando de sua mudança de Brasília para Natal, onde mora. Dois meses após deixar todas essas perguntas no ar, a agenda que pode ajudar a aclarar o caso finalmente apareceu - e, segundo Lina, mostra o dia, a hora e o assunto tratado no encontro com a ministra-chefe da Casa Civil.

A ex-secretária da Receita fez uma anotação a mão em 9 de outubro de 2008, logo em seguida à reunião com Dilma. Ela escreveu: "Dar retorno à ministra sobre família Sarney". De acordo com um amigo de Lina, a quem ela confidenciou ter achado a agenda, bem como detalhes ainda não revelados sobre o encontro, a reunião ocorreu pela manhã, próximo ao horário do almoço, fora da relação de compromissos oficiais da ministra. Convocada às pressas para a reunião, a ex-secretária conta que chegou a desmarcar o bilhete de um voo entre Brasília e São Paulo, emitido para o início da tarde de 9 de outubro, por causa da convocação inesperada. A passagem foi reemitida para as 19h30, quando Lina embarcou com destino a São Paulo. A ex-secretária também está de posse de outro documento que, acredita, pode esclarecer quem está falando a verdade. Trata-se de um CD-ROM com todas as mensagens eletrônicas trocadas entre ela e seus assessores durante os onze meses em que comandou a Receita Federal. Procurada por VEJA em Natal, Lina disse que a polêmica com Dilma produziu grandes transtornos a ela e sua família e que, por isso, não gostaria mais de se manifestar sobre o caso. "Agora eu só falo sobre esse assunto ao Ministério Público, caso seja convocada", afirmou.

Fotos Celso Junior/AE e Dida Sampaio/AE
COMPANHEIROS
Franklin Martins e o senador José Sarney: o ministro diz que é mentira a versão de que o governo tentou ajudar a família do senador na Receita


A descoberta da agenda de Lina acontece em um momento especial para a ministra Dilma Rousseff, que, com a saúde recuperada, volta a empinar sua candidatura à Presidência. Apesar de ainda patinar nas pesquisas, a ministra tem conseguido apoios importantes, resultado de sua dupla jornada como ministra e candidata à sucessão de Lula. Nos últimos dez dias, sempre fora de seu expediente como ministra, Dilma, a candidata, abraçou Jader Barbalho no Pará, discursou numa conferência do PCdoB na Bahia, seduziu PDT e PR em jantares individuais em Brasília e fez as últimas costuras em torno do anúncio, previsto para esta semana, no qual o PMDB vai declarar a intenção de apoiar sua candidatura à sucessão do presidente Lula. A candidata ainda arrumou tempo para ser homenageada em um culto evangélico em São Paulo e, quatro dias depois, tomar um banho de "axé" numa igreja da Bahia. A agenda de Dilma, a candidata, está cada vez mais parecida com a agenda de Dilma, a ministra. Na semana passada, ao acompanhar o presidente Lula em uma visita de três dias a Pernambuco, a ministra dormiu em um barracão, fez discursos exaltados e chegou a participar de "inauguração" até de auditório de canteiro de obra. A obra, a transposição do Rio São Francisco, teve apenas 15% de sua totalidade executada até agora. Ainda que a ministra não seja oficialmente candidata, a estrutura de sua campanha impressiona. Dilma já tem marqueteiro (João Santana, o mesmo de Lula), dois coordenadores de campanha (o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel) e um guru para a internet com fama internacional (Ben Self, uma das estrelas da campanha que ajudou a eleger Barack Obama presidente dos Estados Unidos em 2008). O estrategista informal é Fran-klin Martins, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação.

O registro feito pela ex-secretária em sua agenda pessoal não é, obviamente, prova irrefutável de que a reunião realmente ocorreu e, consequentemente, de que Dilma não disse a verdade. Mas sua existência é um avanço considerável, sobretudo quando analisado em conjunto com informações já conhecidas. Na ocasião da denúncia, Lina chegou a ser desafiada por Franklin Martins, que a chamou de mentirosa. Em agosto passado, o senador Romero Jucá, um dos principais defensores do governo no Congresso, divulgou um relatório com as entradas oficiais de Lina no Palácio do Planalto. De acordo com Jucá, a ex-secretária esteve no Planalto quatro vezes - em outubro de 2008 e nos meses de janeiro, fevereiro e maio de 2009. O único ingresso registrado no ano passado, portanto, ocorreu em 9 de outubro, às 10h13. Lina, segundo os registros oficiais, deixou o Planalto às 11h29 do mesmo dia. Na época, interessava ao governo divulgar a informação porque, embora afirmasse não lembrar com exatidão a data do encontro, Lina dizia que a reunião teria ocorrido no fim do ano, provavelmente em dezembro. A falta de registro de um ingresso de Lina naquele mês, portanto, seria um indício de que a ex-secretária mentia ao confirmar o encontro com a ministra. Agora, com o surgimento da agenda, e da anotação de que o encontro com Dilma ocorreu no mesmo dia 9 de outubro, a tentativa de desmentir a ex-secretária pode acabar confirmando sua versão.

SIGAM O ELEGENDO