Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4

Supremo Condena quadrilha Petista mensaleira por 6 x 4
Estamos atualizando nosso cadastro de políticos que possuem sua fichinha mais suja que pau de galinheiro. Também disponibilizaremos a lista de quem falta mais às sessões e comissões, uso de verbas indenizatórias, doações e patrimônio dos políticos. Aguardem.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

VOCÊ DECIDE - PEDRO HENRY

Do Transparência Brasil

Pedro Henry (PP-MT)
Câmara dos Deputados/BR

Nome de batismo:
Pedro Henry Neto

CPF: 175.068.671-68

Cargo anterior:
Deputado federal (PPB-MT)

Cargos relevantes: Vice-prefeito de Cáceres (1992-1996, PPS-MT). Deputado federal por três legislaturas (1996-1999, PDT-MT; 1999-2003, PSDB-MT; 2003-2007, PPB-MT).

Outros dados relevantes: Formado em medicina. Foi médico legista da Secretaria de Segurança Pública do Mato Grosso (1984-1996) e da Secretaria de Justiça do Estado de Mato Grosso, Delegacia Regional de Polícia de Cáceres (1985-). É irmão de Ricardo Henry, prefeito reeleito de Cáceres.

Histórico de filiações partidárias: PDT, 1993-1995; PP, 2003-; PPB, 2001-2003; PPS, 1991-1993; PSDB, 1995-2001.

e-mail: dep.pedrohenry@camara.gov.br

Votos recebidos na última eleição: 73.312

Eleito(a) pelo PP.



Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas

STF Ação Penal Nº470/2007 - É o processo do caso do Mensalão. Henry responde por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

TRF-1 Seção Judiciária de Brasília Improbidade Administrativa Nº2007.34.00.029882-3 - É processado em ação civil movida pelo Ministério Público, referente ao caso do Mensalão.

TRF 5ª Região Agravo de Instrumento Nº2008.01.00.042313-4 - É agravado em processo referente à Ação Civil Pública Nº2006.36.00.013541-6, processo por improbidade administrativa, relacionado ao escândalo dos sanguessugas, que tramita em primeira instância na 5ª Vara Federal do Mato Grosso.

TSE Recurso Contra Expedição de Diploma Nº668/2007 - Compra de votos e uso da máquina; processo oriundo do TRE-MT (Recurso Contra Expedição de Diploma Nº52/2006).

TRE-MT Representação Nº796/2006 - Teve o diploma cassado e foi multado em 15 mil UFIRs por captação ilícita de sufrágio. O parlamentar recorre da decisão (TSE Recurso Ordinário Nº1533/2008).

Deu no Jornal

É um dos 37 réus no processo relacionado ao caso do Mensalão. Denunciado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o deputado é acusado de, em contrapartida a dinheiro recebido, garantir apoio parlamentar ao governo federal. Segundo a denúncia da PGR, o grupo formado por Henry e outros deputados do PP recebeu R$ 4,1 milhões. O deputado foi também denunciado pelo Ministério Público Federal por improbidade administrativa. A primeira denúncia envolvendo Henry no esquema partiu de Roberto Jefferson. Foi absolvido na Câmara quando foi votado seu processo de cassação (O Estado de S. Paulo, 12.abr.2006; Folha de S. Paulo, 16.mar.2006; Diário de Cuiabá, 21.ago.2007; A Gazeta, 28.ago.2007).

Em depoimento à Justiça Federal, o empresário Luiz Antônio Vedoin, da Planam, disse ter dado ao deputado em 2002 uma Blazer 0 km, além de R$ 140 mil em propina. Segundo Vedoin, era o próprio Henry quem negociava as licitações com os prefeitos. A camionete não foi incluída pelo deputado em sua declaração de bens; ele afirma que, entre 2005 e 2006, vendeu o veículo e restituiu à Planam o valor correspondente. O deputado também foi flagrado pelas escutas telefônicas da Polícia Federal sobre o caso, tentando agilizar o andamento de uma emenda no ministério. Henry responde a processo de improbidade administrativa na Justiça Federal do Mato Grosso (Estado de Minas, 28.jul.2006; Folha de S. Paulo, 30.jul.2006; O Estado de S. Paulo, 9.ago.2006; O Globo, 11.ago.2006; A Gazeta, 26.ago.2007).

Teve o mandato cassado pelo Justiça Eleitoral por compra de votos e gastos de campanha ilícitos. O deputado permanece no exercíco do mandato parlamentar em função de liminar concedida pelo TSE, enquanto aguarda a análise de recurso contra a decisão (O Globo, 24.nov.2007; A Gazeta, 20.dez.2007; Diário de Cuiabá, 28.fev.2008).

O Ministério Público Federal interpôs ação acusando a família Henry de monopolizar meios de comunicação no município de Cáceres. De acordo com os autos, a família detém a TV Pantanal, a TV Descalvados e a Rádio Clube de Cáceres. O MPF afirma ainda que "laranjas" teriam sido usados como sócios para encobertar o monopólio e garantir a neutralização de adversários políticos da família. A programação ficará suspensa até o julgamento da ação (Diário de Cuiabá, 4.out.2008).

Nenhum comentário:

SIGAM O ELEGENDO